GP1

Polícia

Empresário Abraão Rodrigues Viana Filho entra com recurso no TJ

A apelação foi distribuída a 1ª Câmara Especializada Criminal e será relatada pelo desembargador José Francisco do Nascimento.  

  • Foto: DivulgaçãoAbraão Rodrigues Viana FilhoAbraão Rodrigues Viana Filho

Condenado a 50 (cinquenta) anos e 02 (dois) meses de prisão pelo Tribunal Popular do Júri por homicídio triplamente qualificado, sequestro e organização criminosa no Caso Queimados, o empresário Abraão Rodrigues Viana Filho ingressou com apelação criminal junto ao Tribunal de Justiça na última sexta-feira (18). O empresário foi o último dos seis acusados a ser condenado pelo Caso Queimados e esteve foragido da Justiça desde o crime, em 1998, somente em 2012 ele foi encontrado no Rio de Janeiro.

A apelação foi distribuída a 1ª Câmara Especializada Criminal e será relatada pelo desembargador José Francisco do Nascimento.

No Caso Queimados, além de Abraão, também foram condenados , o ex-coronel Correia Lima, os policiais militares Raimundo Xavier da Silva e José Correia Braga Neto. Os outros sentenciados foram Domingos de Sousa e Evaldo Macedo Cavalcante Júnior. O julgamento ocorreu em 05 de setembro de 2016.

O Caso Queimados ficou conhecido porque as duas vítimas, Hélio Araújo Silva e Einaldo Liberal Xavier Júnior , foram carbonizados depois de serem sequestrados, amordaçados e executados com tiros na cabeça. Os cadáveres foram deixados na região da Taboca do Pau Ferrado.

A motivação do crime seria um desfalque que Hélio e Einaldo teriam aplicado em uma loja de sociedade de Abraão e Correia Lima.

O empresário ficou foragido por 10 anos no Rio de Janeiro e foi preso depois de um trabalho conjunto das Polícias Civis do Rio de Janeiro e do Piauí. Ele estava sendo procurado desde a época da prisão de Correia Lima, ocorrida no ano 2000.

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2021 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.