GP1

Polícia

Caminhoneiro é flagrado com comprimidos de rebite na BR 343

A substância é consumida por motoristas para inibir o de sono, de modo a prolongar o tempo acordado, para que os condutores possam dirigir por longas distâncias.

Um caminhoneiro de 33 anos, que não teve identificação revelada, foi autuado na manhã desta terça-feira (26) pela Polícia Rodoviária Federal (PRF), na BR 343 no município de Piripiri. Ele dirigia um caminhão cegonha e foi flagrado com comprimidos de rebite, substância de uso ilegal.

O flagrante se deu após os policiais rodoviários abordarem a carreta conduzida pelo motorista. Ao realizarem vistoria no veículo encontraram 16 comprimidos de medicamento Nobésio Extra Forte intactas em duas cartelas. Os policiais verificaram que 14 unidades de outras cartelas já haviam sido consumidas pelo homem.

Foto: Divulgação/PRF-PICaminhão cegonha
Caminhão cegonha

A substância, popularmente conhecida como rebite, é consumida por motoristas para inibir o de sono, de modo a prolongar o tempo acordado, para que os condutores possam dirigir por longas distâncias.

O motorista assumiu a posse das drogas, porém não informou de quem e nem onde adquiriu. Os policiais verificaram também que o condutor estava com a Carteira Nacional de Habilitação vencida desde o dia 29 de maio de 2018.

Diante disso, foi lavrado um Termo Circunstanciado por porte de droga para consumo. A ocorrência foi encaminhada ao Juizado Especial Criminal na comarca de Piripiri para os procedimentos necessários e o caminhoneiro se comprometeu comparecer em audiência judicial referente à prática delituosa. Ele também foi autuado conforme o Código de Trânsito Brasileiro, por dirigir com a CNH vencida há mais de 30 dias. O veículo foi liberado para um condutor devidamente habilitado e em condições de conduzi-lo.

Mais conteúdo sobre:

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2021 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.