GP1

Política

Celso de Mello decide manter Moreira Franco como ministro

Ministro do STF tornou a decisão pública nesta terça-feira (14).

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Celso de Mello, decidiu nesta terça-feira (14), manter no cargo o ministro da Secretaria-Geral da Presidência da República, Wellington Moreira Franco que, com a nomeação, passa a possuir também o foro privilegiado.

A decisão se deu no mandado de segurança impetrado pela Rede Sustentabilidade contra a nomeação de Moreira Franco, em que se alegava que houve desvio de finalidade pelo Michel Temer na nomeação do peemedebista ao ministério, recriado pelo presidente. A acusação alega que a indicação serviu para blindar Moreira Franco com foro privilegiado em meio às delações premiadas da Lava Jato.

De acordo com informações da Veja, somente no acordo de colaboração do ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht, Cláudio Melo Filho, o ministro foi citado 34 vezes. Segundo Melo Filho, o apelido de Moreira nas planilhas do departamento de propinas da empreiteira era “Angorá”.

  • Foto: Dida Sampaio/Estadão ConteúdoMoreira FrancoMoreira Franco

Para Celso de Mello, a nomeação a Ministro de Estado “não configura, por si só, hipótese de desvio de finalidade (que jamais se presume), eis que a prerrogativa de foro – que traduz consequência natural e necessária decorrente da investidura no cargo de Ministro de Estado – não importa em obstrução e, muito menos, em paralisação dos atos de investigação criminal ou de persecução penal”.

Ele disse ainda que, com o foro privilegiado, não há “qualquer círculo de imunidade” em torno do ministro, que “está sujeito, como qualquer outro cidadão da República, às mesmas medidas de restrição e de coerção, inclusive decretação de prisão preventiva e suspensão cautelar do exercício do cargo ministerial”.

Mais conteúdo sobre:

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2021 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.