GP1

Política

Lula: ‘mentalidade de quem fez reforma trabalhista é escravocrata’

Lula também voltou a defender mudanças na CLT que sejam adaptadas à realidade do mercado atual.
Por Estadão Conteúdo

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) afirmou nesta quinta-feira, 12, que a “mentalidade de quem fez as reformas trabalhista e sindical é a mentalidade escravocrata”. Ele estava em um encontro com especialistas em relações sindicais e trabalhistas.

“Mentalidade de quem acha que sindicato não tem que ter força, que sindicato não tem representatividade. No mundo desenvolvido em que você tem economia forte, você tem sindicato forte”, afirmou o pré-candidato à Presidência pelo PT.

Para Lula, o Estado tem de atuar como um árbitro conciliador dos interesses do trabalhador e do empresário. “O Brasil não será um país civilizado se não tivermos a compreensão que as duas partes têm que ser tratadas em igualdade de condições. E o Estado não tem que tomar parte de um lado ou de outro”, afirmou.

Em outras ocasiões, Lula defendeu que o pré-candidato a vice em sua chapa, o ex-governador Geraldo Alckmin (PSB), seja o coordenador de uma mesa de negociação entre trabalhadores e empresários no Governo Federal.

No encontro, o ex-presidente também voltou a defender mudanças na CLT (Consolidação das Leis do Trabalho) que sejam adaptadas à realidade do mercado atual. “Importante que a gente tivesse o mínimo necessário garantido para que os sindicatos livremente pudessem, de acordo com cada categoria, negociar o máximo, tirar o máximo que pudessem tirar. É assim que se faz negociação”, afirmou. “A nossa organização sindical é igualzinha à dos empresários. E quem não quer mudar são os empresários.”

Lula afirmou ainda que, para vencer crises econômicas, é preciso “colocar o pobre na economia” e que, quando foi presidente, pela primeira vez, “os pobres consumiram mais do que a classe média no Brasil”.

Mais conteúdo sobre:

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2022 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.