Colunista Herbert Sousa
GP1

Prefeito de Campo Maior presenteia ex-prefeito Marcos Elvas com R$ 7 mil por mês

Cabe agora ao Tribunal de Contas do Estado e ao Ministério Público se manifestarem a respeito.

Atenção Ministério Público e Tribunal de Contas do Estado!

A Prefeitura de Campo Maior continua a farra com dinheiro público sem licitação. A bola da vez é o ex-prefeito de Bom Jesus, Marcos Antônio Parente Elvas Coelho, que foi contratado pelo prefeito Joãozinho Félix por inexigibilidade para prestar serviços de consultoria em gestão e planejamento administrativo, com o intuito de viabilizar a execução das políticas públicas municipais essenciais a uma boa administração, de forma ampla, mas com foco prioritário em educação.

O ex-prefeito vai receber mensalmente pelo contrato a bagatela de R$ 7 mil por mês dos combalidos cofres da "viúva".

Foto: GP1Joãozinho Félix e Marcos Elvas
Joãozinho Félix e Marcos Elvas

Outra curiosidade é que o ex-prefeito é engenheiro e foi contratado para dar consultoria em gestão pública.

Na eleição de 2020, a candidata apoiada por Marcos Elvas, Cledja Moreno Benvindo, foi derrotada nas urnas pelo candidato oposicionista Nestor Elvas, mostrando que a população não aprovou os métodos de “gestão” do ex-prefeito.  

Até onde o blogueiro apurou, já beira a R$ 500 mil as despesas de Campo Maior, com contratos feitos por inexigibilidade de licitação.

Cabe agora ao Tribunal de Contas do Estado e ao Ministério Público se manifestarem a respeito dessa verdadeira farra com recursos públicos.  

PS: A empresa Marcos Elvas Consultoria e Assessoria em Gestão Pública foi aberta em 22 de fevereiro de 2021.  

Confira o extrato do contrato:

Foto: Reprodução/DOMJoãozinho Félix presenteia ex-prefeito Marcos Elvas com contrato
Joãozinho Félix presenteia ex-prefeito Marcos Elvas com contrato
Mais conteúdo sobre:

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2021 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.