Blog Opinião
GP1

Ao "Le Monde", Dilma diz que "não tolera corrupção" e elogia Lula


A presidente Dilma Rousseff disse, em entrevista publicada nesta quinta-feira (13) pelo jornal francês "Le Monde", que não tolera corrupção, e defendeu o governo de seu antecessor Luiz Inácio Lula da Silva.

"Eu não tolero a corrupção e meu governo também não", disse Dilma.

Em entrevista concedida ao diário antes de deixar a França, onde concluiu na quarta uma visita de Estado de dois dias, Dilma explicou que no Brasil, para se candidatar a uma eleição, um cidadão não pode ter acusações pendentes contra si.

"O Ministério Público é independente, a Polícia Federal investiga e prende e a Justiça pune", disse. "E aquele que iniciou esta nova etapa de governança foi o ex-presidente."

Afirmando que a corrupção "é uma praga que afeta todos os países", a presidente brasileira considerou que, além das pessoas, "as instituições devem ser virtuosas".
Segundo ela, "a sociedade deve ter acesso a todos os dados governamentais" e aqueles que utilizam recursos públicos "têm que prestar contas".

Por isso, o Brasil criou um "Portal da Transparência" que registra os gastos públicos dia a dia, acrescentou.

"Eu não tolero a corrupção, e meu governo também não. Se há suspeitas fundadas sobre a pessoa, ela tem que sair. Mas, certamente, não se pode confundir essas investigações com uma caça às bruxas própria de regimes autoritários", disse.

Dilma já havia defendido na terça seu antecessor, considerando "lamentáveis" as acusações contra o ex-presidente e afirmando que são "tentativas de manchar o imenso respeito que o povo brasileiro tem por Lula".

Crescimento fraco

Questionada sobre os fracos números do crescimento do PIB, Dilma afirmou que o país está atravessando um "período de transição".

"A crise internacional provocou uma desaceleração da economia brasileira em junho de 2011", disse. "Nós tivemos que adotar medidas estruturais, como a redução das taxas de juros. Pela primeira vez em 20 anos, elas se aproximaram das do mercado internacional. Isso trouxe mudanças na rentabilidade. O aumento dos investimentos produtivos ainda não compensou a queda dos investimentos financeiros."

Fonte: Do G1, com agências internacionais

CONSIDERAÇÕES

Até se compreende o paroxismo da presidente Dilma ao defender o seu criador Lula, afirmando que não tolera corrupção. Metida numa saia curta não pode mesmo contrariar o seu ex-chefe para dizer que no governo dele havia corrupção, mesmo porque ela era a ministra-chefe da Casa Civil.

É bastante intrigante a declaração da presidente de que o governo dela não tolera corrupção. Mas o governo é dela ou do PT? Ela pode até estar defendendo a sua gestão, mas que no governo Lula existia corrupção é fato consumado e comprovado agora pelo STF.

Até quando a presidente Dilma vai suportar o fardo corrupto deixado pelo governo Lula, só o tempo dirá. Mas que ela não deve dormir um sono tranquilo com tanta bomba de efeito retardo explodindo, como o caso Rosemarygate, isso deve incomodá-la muito.

*Júlio César Cardoso Bacharel em Direito e servidor federal aposentado

Curta a página do GP1 no facebook: //www.facebook.com/PortalGP1

*** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do GP1

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2022 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.