Blog Opinião
GP1

Cai a vestal do senador Demóstenes Torres


Júlio César Cardoso *

Imagem: ReproduçãoJúlio César Cardoso(Imagem:Reprodução)Júlio César Cardoso

"Alguém pode enganar poucos por muito tempo, muitos por pouco tempo, mas não todos por todo o tempo". (Abraham Lincoln).

E a ficha caiu do senador Demóstenes Torres (DEM-GO), quando todos o tinham como a vestal do Senado. Que decepção! As gravações de seu envolvimento corrupto são incontestáveis. Logo ele que se arvorava em arauto da ética e da moralidade no Senado Federal. Por acaso, o senador aprendeu tudo isso com os maus exemplos dos petralhas?

Certa feita, o senador chamou de beócios aqueles brasileiros que pregam o fim do Senado por considerá-lo inoperante e cheio de políticos promíscuos. Agora o senador sabe que a população não se engana, e que ela tem suas razões...

Quem deve estar eufórico por sua iminente cassação, certamente, é o senador Renan Calheiros (PMDB-AL). Não queria estar na sua pele. E não é à toa que se ganha como presente de casamento eletrodoméstico no valor de R$ 30 mil.

A situação do senador é delicada e somente a intervenção divina poderá salvá-lo. O senador não devia olvidar o sábio dito popular que diz que a ocasião faz o ladrão. Vai pagar caro por desobedecer à sabedoria popular e por ter se aproximado demais da esperteza do bicheiro Carlinhos Cachoeira.

Enredou-se em teia de aranha porque quis desfrutar das intimidades do bicheiro amigo. Compreendem-se as fraquezas humanas, mas o senador dourou demais a “bola” da corrupção propiciada pelo bicheiro Carlinhos Cachoeira. De qualquer forma, esperamos que o senador prove a sua inocência, porque o estrago já está consumado e muita coisa ainda vai ser revelada.

* Júlio César Cardoso é bacharel em Direito e servidor fedeeral aposentado

*** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do GP1

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2022 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.