GP1

Brasil

Candidatos com covid-19 poderão fazer prova do Enem em fevereiro

Os inscritos que estiverem com alguma das doenças devem solicitar a reaplicação das provas através da Página do Participante, antes da realização do Enem 2020.

O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) divulgou na quinta-feira (24) que os participantes do Exame Nacional do Ensino Médio 2020 (Enem 2020) que estiverem com covid-19, ou com outras doenças infectocontagiosas, no dia de realização das provas, poderão participar da reaplicação do exame nos dias 23 e 24 de fevereiro de 2021.

Para o Inep, as doenças infectocontagiosas que permitem a solicitação de reaplicação do exame são a coqueluche, difteria, doenças causadas pelo vírus influenza, meningites, varíola, poliomielite, sarampo, rubéola, varicela e a covid-19. Os inscritos que estiverem com alguma das doenças devem solicitar a reaplicação das provas através da Página do Participante, antes da realização do Enem 2020.

A solicitação para a reaplicação deve incluir um documento legível que comprove a doença do participante, com o nome completo do inscrito, o diagnóstico com a descrição da condição, o código correspondente à classificação internacional da doença, a assinatura do profissional da saúde, o registro de algum órgão da saúde, como o Conselho Regional de Medicina (CRM), e ainda, a data do atendimento do participante. O documento deve ser anexado em formato PDF, PNG ou JPG, e deve estar no tamanho máximo de 2 MB. A aprovação ou a reprovação da solicitação de reaplicação também deverá ser consultada na Página do Participante.

A aplicação do Enem 2020 para a versão impressa acontecerá nos dias 17 e 24 de janeiro de 2021, e para a versão digital acontecerá nos dias 31 de janeiro e 07 de fevereiro de 2021. Ao todo, mais de 05 milhões de inscrições foram confirmadas para o exame.

Mais conteúdo sobre:

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2021 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.