GP1

Brasil

Família usava pensão de mulher escravizada em MG para pagar curso de medicina

Segundo as investigações, o dinheiro da pensão de Madalena teria pago a faculdade da filha do casal, formada em 2007 pela Faculdade de Medicina de Petrópolis.

Após vir à tona o caso de Madalena Gordiano, mulher de 46 anos mantida presa e escravizada por 38 anos na casa de uma família em Patos de Minas (MG), o Ministério Público do Trabalho (MPT) constatou que ela recebia uma pensão de R$ 8,4 mil, mas que o dinheiro era usado para pagar a faculdade de Medicina de uma integrante da família Milagres Rigueira.

Segundo as investigações, a renda que deveria ser destinada a Madalena é relativa a um casamento de fachada contraído com um ex-combatente da Segunda Guerra Mundial, tio de Valdirene Lopes da Costa, esposa de Dalton César Milagres Rigueira, acusado de manter a mulher escravizada no decorrer desses anos.

Foto: Reprodução/InstagramMadalena Gordiano
Madalena Gordiano

O dinheiro da pensão teria pago a faculdade da filha do casal, Vanessa Maria Milagres Rigueira, formada em 2007 pela Faculdade de Medicina de Petrópolis, no Rio de Janeiro. Além dessa, outras duas filhas foram beneficiadas com a pensão, apontam as investigações.

Em depoimento dado ao Ministério Público do Trabalho, Dalton declarou ter renda de R$ 10.000,00 como professor universitário e mais R$ 1.300,00 referente a aluguéis. No entanto, relatos de pessoas que conhecem a família mostram que eles ostentavam uma vida de luxo, assim, o MPT concluiu que não seria possível eles gastarem tanto, pagando inclusive o financiamento de um apartamento de luxo, apenas com a renda declarada.

Auxílio emergencial

As investigações também revelaram que a família do professor conseguiu ser beneficiada com o auxílio emergencial do Governo Federal, destinado a pessoas de baixa renda.

Entenda o caso

O caso veio à tona porque Madalena passou a pedir ajuda aos vizinhos. Ela pedia dinheiro emprestado para comprar coisas básicas, como materiais de higiene pessoal, o que despertou a suspeita de escravidão.

Mais conteúdo sobre:

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2021 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.