GP1

Brasil

Presidente Jair Bolsonaro chama Elon Musk de ‘mito da liberdade’

Os dois se reuniram no evento Conecta Amazônia, organizado pelo Ministério das Comunicações.
Por Estadão Conteúdo

Ao lado de Elon Musk, o presidente Jair Bolsonaro (PL) afirmou nesta sexta-feira que a compra do Twitter pelo bilionário é um “sopro de esperança”. Os dois se reuniram no evento “Conecta Amazônia”, organizado pelo Ministério das Comunicações, no Hotel Fasano Boa Vista, na cidade de Porto Feliz, interior de São Paulo.

A comitiva do presidente chegou ao local por volta das 10h30. Musk é o fundador da SpaceX e negocia uma operação para comprar o Twitter. Em janeiro, a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) deu aval ao pedido da Starlink, empresa de Musk, para operar satélites de órbita baixa no Brasil.

Após o encontro, Bolsonaro disse em coletiva que a visita de Musk foi de cortesia e não de negócios e ainda renovou afagos ao bilionário americano. “O que mais nos chamou a atenção foi sua preocupação com a Amazônia de verdade”, declarou o presidente. “Tanto é que quando você comprou o Twitter muita gente aqui no Brasil foi como se fosse um grito de independência”, acrescentou. “Nosso governo trabalhará para encarnar o seu espírito, da importância da liberdade de todos nós”.

Na visita de hoje, não foi firmado nenhum acordo formal. O que houve foi apenas a manifestação de intenção de Musk colaborar nesses dois temas com o governo brasileiro. “É o início de um namoro que vai acabar em casamento”, disse Bolsonaro, em entrevista coletiva à imprensa.

Mais cedo, Bolsonaro chamou Musk de “mito da liberdade". “O mais importante da presença dele é algo que é imaterial. Hoje em dia, poderíamos chamá-lo de mito da liberdade. O exemplo que nos deu, há poucos dias, quando anunciou a compra do Twitter, para nós aqui foi como um sopro de esperança”, disse o presidente.

Na lista de empresários estão André Esteves, da BTG Pactual, Flávio Rocha, da Riachuelo, Rubens Ometto, da Cosan, Luciano Hang, da Havan, Rodrigo Abreu, da Oi, José Feliz, da Claro, Alberto Griselli, da TIM, e Alberto Leite, da FS, empresa de soluções digitais.

Bolsonaro publicou no Twitter a foto de seu aperto de mãos com Musk. “Entre outros assuntos, tratamos de conectividade, investimentos, inovação e o uso da tecnologia como reforço na proteção de nossa Amazônia e na realização do potencial econômico do Brasil”, publicou o presidente. De forma reservada, Bolsonaro condecorou Musk com uma medalha pelos “serviços prestados ao País”.

O bilionário pousou em um aeroporto privado no interior de São Paulo, próximo a Sorocaba, às 9 horas da manhã, após deixar o Estado do Texas, nos Estados Unidos. Ao chegar no Brasil, disse estar animado para o lançamento do Starlink para a conexão de “19 mil escolas em áreas rurais e para o monitoramento ambiental da Amazônia”.

Bolsonaro chegou ao hotel, que fica dentro de um condomínio de luxo, em um comboio com mais de 20 carros, e parou para cumprimentar os policiais na porta.

O encontro aconteceu em paralelo ao “Conecta Amazônia”, evento para discutir marcos regulatórios, regulação na Amazônia e conectividade nas escolas. No Twitter, o ministro das Comunicações Fábio Faria disse que a reunião trate de conectividade e proteção da Amazônia.

“Vamos falar sobre os marcos regulatórios, regulação na Amazônia e conectividade nas escolas. A meta do MCom é conectar 100% das escolas até o final do ano e fazer com que a tecnologia ajude na preservação da Amazônia!!!”, escreveu.

Em um rápido discurso, Bolsonaro destacou que a tecnologia cada vez mais se fará presente no mundo. Para ele, os carros autônomos da Tesla, empresa de Musk, vão sepultar as autoescolas e a CNH. O ministro Dias Toffoli, do STF, e ministros como Carlos França (Relações Exteriores) e Ciro Nogueira (Ciro Nogueira) acompanhavam na plateia.

“A liberdade é a semente para o futuro. A presença dele aqui, uma pessoa que todos sabem da sua importância, do que ele representa para o mundo. Poderia estar preocupado consigo próprio, mas veio para nosso País, como tem andando pelo mundo, demonstrando o que ele pretende deixar para todos nós. Só a passagem e essa breve explanação já é uma coisa que nos marcará para sempre”, declarou o chefe do Executivo.

Bolsonaro ainda afirmou que Musk vai ajudar a mostrar para o mundo a “verdade” sobre a Amazônia. “A questão da Amazônia para nós é muito importante. Nós pretendemos e precisamos, e contamos com o Elon Musk, para que a Amazônia seja conhecida por todos no Brasil e no mundo. Mostrar a exuberância dessa região, como ela é preservada por nós e quanto malefício causam para nós aqueles que difundem mentiras sobre essa região”, afirmou o presidente.

Logo depois de Bolsonaro, o ministro das Comunicações, Fábio Faria, tomou a palavra e, em inglês, chamou Musk de “visionário” e disse que o Brasil o ama. O empresário receberá uma medalha do governo brasileiro.

Além de Faria, estão na comitiva de Bolsonaro os ministros Carlos França (Relações Exteriores), Augusto Heleno (Gabinete de Segurança Institucional) e Ciro Nogueira (Casa Civil).

Satélites de Musk

O funcionamento dos satélites de órbita baixa de Musk no Brasil está na agenda do Ministério das Comunicações, comandado por Fábio Faria, que em dezembro chegou a encontrar Musk para debater o oferecimento do serviço no Brasil. As autorizações concedidas em janeiro são as primeiras para operação desse tipo de satélite no País.

Faria já afirmou em outras ocasiões que o objetivo desse tipo de tecnologia é levar internet para áreas rurais e lugares remotos, além de ajudar no controle de incêndios e desmatamentos ilegais na floresta amazônica. A Internet da Starlink, de acordo com informações da empresa, funciona enviando dados através do vácuo do espaço, onde se desloca mais rapidamente do que em cabos de fibra óptica, o que a torna mais acessível a mais pessoas e locais.

Mais conteúdo sobre:

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2022 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.