GP1

Coronavírus no Piauí

Demóstenes Ribeiro afirma que isolamento já gerou várias demissões

"A situação está muito difícil, muito complicado, são muitas demissões, suspensão de contratos. Está muito complicado mesmo”, relatou o empresário.

Durante a pandemia do novo coronavírus (covid-19) diversos donos de estabelecimentos têm encontrado dificuldades por conta dos decretos municipal e estadual que impedem o funcionamento do comércio. A crise já vem afetando vários estabelecimentos, como academias, que registraram muitas demissões de instrutores no último mês.

Em entrevista ao GP1 na manhã desta terça-feira (14) o educador físico e dono de academias Demóstenes Ribeiro disse que a situação está cada vez mais complicada no ramo de academias e que diversas pessoas já foram demitidas desde o início da quarentena.

  • Foto: Divulgação/Otorrinos Demóstenes RibeiroDemóstenes Ribeiro

"A situação está muito difícil, muito complicado, são muitas demissões, suspensão de contratos. Está muito complicado mesmo, as contas continuam, a conta de energia já chegou, aluguel, tudo a gente tem que honrar e realmente está muito complicado”, relatou o empresário.

Saúde

O profissional defendeu que a categoria também está preocupada com a saúde das pessoas, tendo em vista que ficar dentro de casa pode causar nervosismo, o que acaba baixando a imunidade. Demóstenes frisou que os donos de academias também dão aulas de educação física nos estabelecimentos.

  • Foto: Lucas Dias/GP1Academia Demóstenes RibeiroAcademia Demóstenes Ribeiro

"Nós defendemos a importância dos serviços prestados pelas academias no sentido de promover saúde e de preservar a saúde da população. Nossa preocupação não é apenas financeira, até mesmo porque nós não somos somente empresários, somos empresários e professores também”, continuou.

Sindicato

Em uma publicação nas redes sociais, o Sindicato das Academias do Estado do Piauí (Sindacad-PI) usou exemplos de alguns estabelecimentos que seguem abertos e questionou o fato das academias permanecerem fechadas, já que, conforme o comunicado, o exercício físico melhora a imunidade, a saúde física e mental do participante.

A publicação dividiu opiniões, mas Demóstenes explicou que os donos das academias não querem descumprir a quarentena, querem apenas voltar ao funcionamento quando outros serviços também considerados não essenciais voltarem a abrir.

"A gente não está reivindicando abrir antes do decreto encerrar, a gente quer seguir toda a determinação dos órgãos superiores. Pelo que se está desenhando, quando encerrar agora a quarentena, alguns serviços vão voltar e outros não. E a gente entende que o serviço prestado na academia é de extrema importância para a saúde da população. O que a gente quer é não ficar de fora dos segmentos que vão reabrir", finalizou.

Confira a publicação:

Mais conteúdo sobre:

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2022 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.