GP1

Coronavírus no Piauí

Piauí registrou 11 mortes por covid-19 nas últimas 24 horas, diz Sesapi

A Sesapi também confirmou outros 10 óbitos de dias anteriores, mas que ainda estavam sob investigação.

O Piauí registrou 11 mortes por covid-19 nas últimas 24 horas, segundo boletim epidemiológico divulgado pela Secretaria de Estado da Saúde do Piauí (Sesapi), na noite desta segunda-feira (10). A Sesapi também confirmou outros 10 óbitos ocorridos em dias anteriores, mas que ainda estavam sob investigação epidemiológica, e com isso o total de vidas perdidas para o coronavírus no Piauí chega a 5.397.

Ainda segundo o boletim, foram registrados mais 920 casos confirmados da doença, e agora já são 251.648 casos positivos no Piauí desde o início da pandemia.

Seis mulheres e cinco homens foram vítimas da covid-19 nas últimas 24 horas. Eles eram das cidades de Beneditinos (57 anos) Curimatá (77 anos), Jaicós (71 anos), Joaquim Pires (48 anos) e Parnaíba (74 anos). As do sexo feminino eram de Parnaíba (48 anos), Pedro II (48 anos), Piracuruca (44 anos), São Pedro do Piauí (86 anos), Teresina (36 anos) e Uruçuí (58 anos). Sete vítimas não possuíam comorbidades.

Dos óbitos acumulados as mulheres eram de Piripiri (64, 70 e 74 anos) e São Lourenço do Piauí (58 e 62 anos). Os homens eram naturais de Alvorada do Gurgueia (85 anos), Piripiri (76 e 84 anos), São José do Divino (90 anos) e Teresina (51 anos).

Dos 920 novos casos confirmados da doença, 408 são mulheres e 512 são homens, com idades que variam de um a 94 anos. Os óbitos foram registrados em 221 municípios.

A Sesapi estima que 245.127 pessoas já estão recuperadas ou seguem em acompanhamento (casos registrados nos últimos 14 dias) que não necessitaram de internação ou evoluíram para morte.

Internações

Dos leitos existentes na rede de saúde do Piauí para atendimento à covid-19, há 1.124 ocupados, sendo 697 leitos clínicos, 392 UTIs e 35 em leitos de estabilização. As altas acumuladas somam 15.546 até o dia 10 de maio de 2021.

Óbitos acumulados

A Sesapi agora divulga os óbitos ocorridos em diversas datas, antes do fechamento do diagnóstico clínico do paciente e que estavam sob investigação epidemiológica. A investigação dessas mortes é feita para evitar distorções ou equívocos sobre a patologia que provocou o óbito. Apesar de terem ocorrido em datas anteriores, a confirmação e o registro das mortes entram no sistema apenas no dia que é fechado o diagnóstico.

Mais conteúdo sobre:

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2021 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.