GP1

Economia e Negócios

Sebrae: 25% das empresas fecham as portas em até 2 anos

Especialista orienta como evitar problemas que podem levar ao fechamento.

Abrir uma empresa no Brasil, atualmente, não têm sido uma tarefa fácil, porém, manter seu negócio de portas abertas têm sido o maior desafio. De acordo com pesquisa realizada pelo Serviço de Apoio às Pequenas e Micro Empresas, SEBRAE, cerca de 25% das empresas fecham as portas em até 2 anos.

Muitas vezes, isso acontece, pois, o empreendedor estrutura o seu negócio de acordo com suas necessidades do momento e acaba esquecendo de pontos essenciais que, no futuro, podem evitar problemas com o poder público e até mesmo com seus funcionários, clientes e fornecedores.

Especialista afirma que para evitar que a empresa tenha um imprevisto, ou algo que ameace o seu funcionamento, é importante que todo empreendimento tenha uma assessoria preventiva.

Marcos Cardoso, advogado especialista em Direito Empresarial esclarece. “A advocacia preventiva nas empresas é uma forma de antever o que vai acontecer, proporcionando ao empresário agir de outra maneira, respaldado na lei e no bom senso, de modo a evitar transtornos e diminuir possíveis perdas com ações trabalhistas, contratos mal formulados, entre outros”, enfatiza.

A atuação do advogado no meio empresarial é um ponto fundamental para evitar futuros problemas. Ele trata de questões como: Indicação sobre a estrutura jurídica adequada ao empreendimento, orientações sobre a legislação trabalhista, acompanhamento na celebração de contratos, orientações nas questões tributárias e planejamento fiscal, entre outras.

“Com o auxílio do profissional do Direito, o empresário amplia sua capacidade de mensurar riscos e é capaz de tomar decisões com maior segurança, o que aumenta as chances de o empreendimento prosperar”, afirma o advogado Marcos Cardoso.

Mais conteúdo sobre:

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2021 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.