GP1

Economia e Negócios

Petrobras reverte prejuízo e fecha com lucro de R$ 31,1 bilhões

Cotação do petróleo disparando no mercado e os combustíveis cada vez mais caros sustentaram ganhos.
Por Estadão Conteúdo

Com a cotação do petróleo disparando no mercado internacional e os combustíveis cada vez mais caros no Brasil, a Petrobras registrou lucro de R$ 31,14 bilhões no terceiro trimestre deste ano. Assim, reverteu o prejuízo de igual período do ano passado. A retomada do consumo da gasolina e do óleo diesel, à medida que a vacinação avança no País, também ajudaram a petrolífera a engordar o caixa. Além disso, a estatal contou com um dinheiro extra que entrou com acordo firmado com sócios chineses no pré-sal e alguns benefícios tributários.

O resultado surpreendeu o mercado financeiro, que esperava lucro de R$ 21,4 bilhões, segundo projeção de cinco instituições ouvidas pelo Prévias Broadcast – BTG Pactual, Credit Suisse, Goldman Sachs, Senso Investimentos e Instituto de Estudos Estratégicos de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (Ineep). No terceiro trimestre do ano passado, a empresa teve prejuízo de R$ 1,5 bilhão.

Volumes de venda e preços elevados favoreceram a Petrobras, dessa vez. A empresa também está sendo recompensada por apostar no pré-sal, onde estão seus campos mais produtivos e rentáveis. Nesse trimestre, a estatal vendeu 10,5% mais derivados de petróleo do que em igual período de 2020. Quase a totalidade dos produtos que comercializou foi fabricada a partir de matéria prima própria, com custos em reais. Os valores cobrados dos seus clientes, no entanto, foram calculados em dólar e alinhados ao mercado internacional, onde o petróleo não para de subir.

Com o crescimento do barril de petróleo do tipo brent, negociado em Londres, de 70,9%, ante o terceiro trimestre do ano passado, a Petrobras alcançou receita de R$ 121,59 bilhões, 71,9% maior que a de igual período do ano passado. Já o Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização), de R$ 60,74 bilhões, representou um avanço de 81,7%, na mesma base de comparação.

A Petrobras ainda contou com US$ 2,9 bilhões das chinesas CNOOC e CNODC, uma compensação aos investimentos estatais feitos no campo de Búzios, no pré-sal da Bacia de Santos, do qual são sócias. Também ajudou a reversão de baixas contábeis do passado, relativas a ativas que passaram a valer à pena com o barril valorizado.

Com tantos fatores positivos, a empresa conseguiu reduzir ainda mais sua dívida bruta a US$ 59,5 bilhões, que praticamente bateu a meta de US$ 60 bilhões estipulada para o fim do ano. A dívida líquida ficou em US$ 48,13 bilhões.

Mais conteúdo sobre:

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2022 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.