GP1

Economia e Negócios

Bolsonaro discute preço dos combustíveis com presidente da Petrobras

O ministro Bento Albuquerque também participou do encontro para tratar de preços dos combustíveis.
Por Estadão Conteúdo

O presidente Jair Bolsonaro disse nesta quinta-feira, 7, que teve uma nova reunião, hoje, com o presidente da Petrobras, Joaquim Silva e Luna, e com o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, para tratar de medidas para lidar com a alta dos combustíveis.

"Somos unânimes, todo mundo quer que diminua", afirmou, em evento no Palácio do Planalto. "Quem não quer diminuir o preço das coisas no Brasil?", questionou o presidente.

Com apoio do presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), o governo negocia com o Congresso um projeto para alterar a tributação do Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) sobre os combustíveis, para tentar conter a alta do produto. Com alta de quase 40% nos últimos meses, o preço da gasolina e do óleo diesel é um dos vilões da inflação este ano. A proposta, contudo, tem a resistência de governadores.

Nesta quinta, Bolsonaro também voltou a reconhecer a escalada inflacionária no País, bem como a crise hídrica, o alto valor dos combustíveis e do gás de cozinha.

"Não estou tirando meu corpo fora, mas estou mostrando a realidade", disse o presidente. "É tudo monopólio. Mas é fácil lutar contra monopólio? Não é", declarou.

O valor pago pelos combustíveis é influenciado pelos preços internacionais, em dólar, e também são pressionados pela variação do câmbio, com a desvalorização do real frente à moeda americana. "Os caminhoneiros chiam com razão", acrescentou o presidente, sobre o valor do combustível.

Desabastecimento

Em meio à alta da inflação, o presidente Jair Bolsonaro disse também nesta quinta-feira que o País pode enfrentar problemas de abastecimento.

Um dos problemas, segundo o presidente, seria a falta de fertilizantes para o campo. Bolsonaro relatou ter tido uma conversa com o secretário especial de assuntos estratégicos da presidência, Flávio Rocha, que teria prometido a entrega do plano sobre como lidar com a falta de fertilizantes. Bolsonaro prometeu que o governo deve criar um plano emergencial.

"Vou avisar um ano antes. Por questão de crise energética, a China começa a produzir menos fertilizantes. Já aumentou de preço, vai aumentar mais e vai faltar. A cada cinco pratos de comida no mundo, um sai do Brasil. Vamos ter problemas de abastecimento no ano que vem", alertou Bolsonaro.

Mais conteúdo sobre:

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2021 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.