GP1

Economia e Negócios

Grupo CCR compra Aeroporto de Teresina em leilão do Governo Federal

O Aeroporto de Teresina agora será administrado pela iniciativa privada por um período de 30 anos.

O Aeroporto Senador Petrônio Portella, de Teresina, foi adquirido nesta quarta-feira (07) pela Companhia de Participações em Concessões (CPC), do Grupo CCR, durante leilão realizado pelo Ministério da Infraestrutura, através da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac).

O presidente nacional do Progressistas, senador Ciro Nogueira (PP-PI) comemorou o êxito no leilão do aeroporto e parabenizou o ministro da infraestrutura, Tarcísio Freitas. “Parabenizo o ministro Tarcísio Freitas pelo êxito nos leilões da concessão de aeroportos e expresso minha satisfação em que o Aeroporto Petrônio Portella, de Teresina, tenha sido arrematado pela CCR com o maior ágio entre os blocos: 91 vezes mais que o lance inicial para o leilão”, publicou.

De acordo com o Ministério da Infraestrutura, o aeroporto teresinense faz parte do bloco Central, que compreende também os aeroportos de Goiânia (GO), Palmas (TO), São Luís (MA), Imperatriz (MA) e Petrolina (PE). Ao todo, o CCR adquiriu o bloco pelo valor de R$ 754 milhões.

Concessão durante 30 anos

Os aeroportos serão administrados pela iniciativa privada por um período de 30 anos. O edital de leilão foi aprovado ainda no final de 2020, devido ao impacto econômico no setor aéreo ocasionado em decorrência da pandemia da covid-19.

O investimento total nos 22 aeroportos leiloados, que foram divididos em 3 blocos, é estimado em R$ 6,1 bilhões durante os 30 anos de concessão. Ao todo, sete concorrentes participaram da disputa e o grande vencedor do leilão foi o consórcio Companhia de Participações em Concessões, subsidiaria do grupo CCR, que levou os blocos Sul e Central, compreendendo um total de 15 aeroportos pelo Brasil.

Mais conteúdo sobre:

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2021 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.