GP1

Mundo

Ex-presidente da Colômbia nega envolvimento com a Odebrecht

O ex-vice ministro de Transporte de seu governo, Gabriel García Morales é acusado de receber US$ 6,5 milhões da construtora.

O ex-presidente da Colômbia, Álvaro Uribe defendeu neste domingo (15), que seu governo não tem envolvimento no escândalo da Odebrecht após o ex-vice-ministro de Transporte Gabriel García Morales ter sido acusado de receber propina da construtora.

Uribe disse, em carta enviada a um jornal colombiano, que García Morales, acusado de celebração indevida de contratos e enriquecimento ilícito, traiu sua confiança. "García Morales traiu a confiança de meu governo, do ministro Andrés Uriel Galego, de todos aqueles que conheciam suas virtudes profissionais e acadêmicas, e da minha pessoa. Em minha longa vida pública, geri os recursos do Estado com transparência e austeridade", disse o ex-presidente.

  • Foto: APÁlvaro UribeÁlvaro Uribe

De acordo com informações do G1, documentos divulgados em dezembro pelo Departamento de Justiça dos Estados Unidos, apontam que a Odebrecht pagou US$ 788 milhões em propinas em 12 países da América Latina e da África. García Morales foi preso na última quinta-feira (12), acusado de ter recebido um pagamento de US$ 6,5 milhões para que a Odebrecht vencesse a licitação do trecho dois da Rota do Sol.

Mais conteúdo sobre:

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2021 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.