GP1

Mundo

Covid-19: Portugal prepara toque de recolher para 70% da população

A partir desta segunda-feira, 6, das 23h às 5h locais, os portugueses ficarão proibidos de 'circularem pela via pública'; nos próximos finais de semana, a medida começa a a valer às 13h.
Por Estadão Conteúdo

Portugal se encontra sob emergência sanitária, nesta segunda-feira, 9, e a maioria de sua população se prepara para o toque de recolher, última medida a ser adotada até o momento para tentar conter a propagação do novo coronavírus.

A partir desta segunda-feira, das 23h às 5h locais, 7,1 milhões de portugueses ficarão proibidos de "circularem pela via pública", a não ser em casos de força maior, ou se trabalharem de madrugada.

Nos próximos dois finais de semana, o toque de recolher começará às 13h locais, tanto no sábado quanto no domingo.

"Estes horários são uma catástrofe para o setor de restauração", disse à AFP João Pereira, gerente de um restaurante do centro de Lisboa, com cerca de dez mesas.

"Se nos obrigarem a fechar às 13h de sábado, não poderemos nem mesmo servir almoço!", denunciou este sexagenário.

Além disso, os moradores de 121 municípios considerados de "alto risco", que representam cerca de 70% da população do país, devem se ater a um "dever cívico de confinamento em domicílio", desde a última quarta-feira.

Este segundo confinamento, mais flexível do que o da primavera do hemisfério norte (outono no Brasil), impõe o trabalho remoto onde for possível, mas as escolas permanecem abertas, assim como restaurantes, estabelecimentos comerciais e espaços culturais.

Desde meados de outubro, o número de novas infecções triplicou e, no sábado, passou-se dos 6 mil casos de contágio.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Portugal anuncia uso obrigatório de máscara nas ruas

Portugal decreta calamidade e quer lei para obrigar o uso de máscara

Mais conteúdo sobre:

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2021 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.