Fechar
GP1

Mundo

Hamas ameaça mais sequestros depois de Israel resgatar reféns

De acordo com um oficial do Hamas, a libertação dos reféns foi “um sinal de que eles falharam".

O Hamas afirmou, neste sábado (08), que mantém a maioria dos reféns capturados no dia 7 de outubro de 2023 em cativeiro. O grupo terrorista ameaçou ainda aumentar esse número. A declaração foi dada horas depois das Forças de Defesa de Israel (FDI) resgatarem quatro reféns em uma operação na Faixa de Gaza.

Segundo um oficial do Hamas, a libertação dos reféns depois de nove meses de guerra foi “um sinal de que eles falharam, e não uma conquista”.

Em resposta, o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, ressaltou que Israel não vai ceder ao terrorismo e que continuará operando “de forma criativa e corajosa” para trazer os reféns de volta para casa.


“Estamos empenhados em fazê-lo também no futuro. Não desistiremos até completarmos a missão e devolvermos para casa todos os reféns – tanto os vivos como os mortos”, declarou Netanyahu.

Operação de resgate

Os quatro reféns resgatados foram encontrados no campo de refugiados de Nuseirat, no centro da Faixa de Gaza. A operação contou com o apoio do serviço de inteligência nacional e de uma unidade especial da polícia de Israel.

Os quatro reféns resgatados estavam no festival de música Nova, em 7 de outubro, próximo à fronteira entre Israel e Gaza. São eles:

Almog Meir Jan, 22, é de Or Yehuda, perto de Tel Aviv, e começaria um novo emprego em 8 de outubro.

Shlomi Ziv, 41, trabalhava como segurança no festival e viveu no moshav local por 17 anos com sua esposa Miren.

Andrey Kozlov, 27, é residente de Rishon LeZion, imigrou da Rússia para Israel há um ano.

Noa Argamani, 25, estuda gerenciamento de sistemas de informação na Universidade Ben-Gurion de Negev e se tornou símbolo dos ataques depois de um vídeo mostrar seu sequestro.

Mais conteúdo sobre:

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2024 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.