Piauí

Bancários do Piauí aprovam proposta da Fenaban com reajuste e abono

O presidente do Sindicato dos Bancários do Piauí, Odaly Medeiros, disse que o acordo conclui uma etapa importante em defesa da categoria.

Wanessa Gommes
Teresina
- atualizado

Os bancários do Piauí aprovaram, em assembleia virtual, realizada nesta segunda-feira (31), a proposta apresentada pela Fenaban (Federação Nacional dos Bancos) na Campanha Nacional deste ano.

O acordo fechado será de dois anos e garante, para ainda este ano, 1,5% de reajuste nos salários, mais abono de R$ 2 mil para todos os empregados e reposição da inflação (INPC estimado em 2,74%) nas demais verbas como Vale Alimentação e Vale Refeição, bem como nos valores fixos da PLR (Participação nos Lucros e Resultados).

Já para 2021, a previsão é de 0,5% de aumento real para salários e demais verbas. Além disso, todas as cláusulas da Convenção Coletiva de Trabalho (CCT) da categoria foram mantidas.

O presidente do Sindicato dos Bancários do Piauí, Odaly Medeiros, disse que o acordo conclui uma etapa importante em defesa da categoria. “Nós tivemos noites, dias, fins de semana, debatendo em mesa defendendo uma pauta que foi aprovada nos nossos encontros a nível de Brasil, que essa categoria depositou toda a confiança nos membros do Comando Nacional. Nos esforçamos ao máximo nesse debate, muitas vezes acirrado porque sabemos que os bancos são muito corporativistas, sempre buscam a exploração dos trabalhadores e esse foi um dos maiores desafios nessa conjuntura”, afirmou.

“Essa foi uma campanha das mais difíceis devido as várias adversidades, dentre elas a pandemia. Queremos agradecer a todos os bancários e bancárias, na ativa ou aposentados, toda a nossa Diretoria e todos os envolvidos que se empenharam nesse resultado. Aprovamos em Assembleia todos os CCT e ACTs. Essa vitória é de todos nós!”, finalizou.

Os reajustes nos salários e vales, mais o abono de R$ 2 mil e a PLR dos bancários, injetarão mais de R$ 8 bilhões na economia. Com a aprovação do acordo, a categoria recebe o abono já em setembro, assim como a antecipação da PLR.

Veja os principais pontos do acordo e em quais os bancos retrocederam:

– Manutenção de todas as cláusulas da CCT por dois anos

Proposta inicial: Fenaban queria retirar direitos da CCT, como a 13ª cesta alimentação, e queria mudar as regras da PLR, rebaixando seus valores.

Após negociação: Mantidos todos os direitos previstos na CCT, em acordo de dois anos (2020/2021)

– Reajuste de 1,5% + abono de R$ 2 mil; aumento de real em 2021

Proposta inicial: Fenaban insistia em reajuste ZERO

Após negociação: Reajuste de 1,5% para salários + abono de R$ 2 mil para todos, em 2020. Isso garante em 12 meses valores acima do que seria obtido apenas com a aplicação do INPC para salários até R$ 11.202,80, o que representa 79,1% do total de bancários (isso já considerando o pagamento de 13°, férias e FGTS). Para 2021: aumento real de 0,5% para salários e demais verbas, como VA, VR e auxílio-creche, e para valores fixos e tetos da PLR.

– VA, VR e auxílio-creche

Proposta inicial: Fenaban propôs reajuste ZERO para VA, VR e auxílio-creche.

Após negociação: este ano, VA, VR e auxílio-creche serão reajustados pela inflação (INPC estimado em 2,74%). Para 2021: VA, VR e auxílio-creche terão reposição da inflação do período + aumento real de 0,5%.

– 13ª cesta alimentação

Proposta inicial: Fenaban queria extinguir a 13ª cesta alimentação.

Após negociação: Mantida a 13ª cesta alimentação, com reposição da inflação em 2021 (INPC estimado em 2,74%). Para 2021: mantida a 13ª cesta alimentação, com reposição da inflação no período (1º de setembro de 2020 a 31 de agosto de 2021) + aumento real de 0,5%.

– PLR

Propostas iniciais: Fenaban apresentou 3 propostas que reduziam a PLR dos bancários em até 48%

Após negociação: Mantida PLR como está na CCT, e com reposição da inflação (INPC estimado em 2,74%) nos valores fixos e tetos. Para 2021: valores fixos e tetos com aumento real de 0,5%.

– Home office

Proposta inicial: Fenaban se recusou a negociar cláusula para melhorar condições de trabalho no home office.

Após negociação: Bancos se comprometeram em manter o home office até o final da pandemia. A Fenaban não concordou em colocar no acordo cláusulas sobre o controle da jornada de trabalho, sobre o ressarcimento de custos e a disponibilização da mobília adequada ao home office. Mas, mesmo sem um acordo geral sobre o tema, o Comando Nacional saiu com a sinalização de acordos específicos com alguns bancos.

– Contribuição negocial

Foi mantida a contribuição negocial de 1,5% do salário, com mínimo de R$ 50 e máximo de R$ 250, e 1,5% da PLR, com teto de R$ 210. A contribuição negocial, essencial para que os sindicatos possam fazer a luta, já havia sido aprovada pelos bancários nas conferências estadual e nacional e em assembleia do Sindicato.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Sindicato dos Bancários do Piauí vai realizar paralisação nessa sexta

Bancários realizam ato em frente a Caixa da Areolino de Abreu

Mais conteúdo sobre: