Conceição do Canindé - PI

Cigano é preso acusado de estelionato em Conceição do Canindé

Segundo informações do major Felipe, de Paulistana, os policiais foram informados sobre a presença de ciganos na região de Conceição de Canindé que estariam realizando curandeirismo.

Bárbara Rodrigues
Teresina
- atualizado

Um cigano foi preso pela Força Tática de Paulistana e pela Polícia Militar de Conceição do Canindé na terça-feira (4) acusado pelo crime de estelionato. Segundo informações do major Felipe, de Paulistana, os policiais foram informados sobre a presença de ciganos na região de Conceição de Canindé que estariam realizando curandeirismo.

Os policiais foram até o local onde estaria ocorrendo a situação e encontraram Raimundo Costa Sobrinho, que estava em posse de R$ 860. Ao ser questionado sobre a origem do dinheiro ele afirmou que era “dinheiro de rezas” e que era retribuído com dinheiro em troca de tratamento.

  • Foto: Divulgação/PM-PIDinheiro apreendido com o cigado Raimundo Costa SobrinhoDinheiro apreendido com o cigado Raimundo Costa Sobrinho

O major Felipe explicou que o suspeito enganava as vítimas e pegava dinheiro sem que elas percebessem.

“Após ser questionado em qual casa ele conseguiu o dinheiro, o acusado levou a guarnição até o local. Na casa, os moradores noticiaram como foi a ‘reza’: o cigano chegou no local informando que alguém naquele recinto necessitava de uma cura e no local havia um cadeirante. Sendo assim, ele informou que só rezava em dinheiro, que a moradora pegasse todo o dinheiro e entregasse para que ele o abençoasse. Dessa forma, ele enrolou a quantia informada em folhas de papel e começou a rodear o cadeirante. Com ramos em uma mão e o dinheiro enrolado na outra, ao passar pelas costas do cadeirante, o acusado trocou os maços, colocando o maço com dinheiro no seu bolso e pegando um outro maço só com papel e colocando na mão. Feita a reza, o mesmo solicitou uma camisa para guardar o suposto maço que estava com dinheiro e que ao dar o nó na camisa a vítima só abrisse 5h depois, para concretizar a cura. No entanto, a vítima não percebeu o ardil feito pelo acusado, sendo apenas esclarecido quando a guarnição chegou ao local e pediu que ela buscasse a camisa com o nó. Ao desatar o nó estava o maço, mas apenas com folhas de papel”, explicou o major Felipe.

Após esclarecido o ocorrido, a vítima e o cigano Raimundo Costa foram encaminhados para a 12ª Delegacia de Polícia Civil para que sejam tomadas as devidas providências.

Mais conteúdo sobre: