Política

Deltan Dallagnol diz que vai continuar lutando contra a corrupção

Procurador afirmou que depois de anos de dedicação intensa à Lava Jato vai se dedicar de modo especial para a família; ele pediu apoio à operação, dizendo que a força-tarefa vai continuar firme.

Por  Estadão Conteúdo
- atualizado

Chefe da força-tarefa da Lava Jato em Curitiba há seis anos, o procurador da República Deltan Dallagnol confirmou a sua saída do grupo na tarde desta terça, 1º, em vídeo publicado em seu perfil no Twitter. Na gravação, Deltan afirma que a operação ‘vai continuar firme, tem muito a fazer e precisa de suporte’. Além disso, diz que sua saída não se trata de uma despedida e que ‘vai continuar a lutar contra a corrupção como procurador e como cidadão’.

O procurador explica o motivo de estar deixando o comando da Lava Jato em Curitiba: sua filha de um ano e dez meses está passando por uma série de exames e acompanhamentos, devendo começar uma série de terapias e tratamentos. “Depois de anos de dedicação intensa à Lava Jato eu acredito que agora é hora de eu me dedicar de modo especial para a minha família. Vou continuar trabalhando como procurador, mas aquelas horas extras que investi em noites, finais de semana e feriados eu vou precisar agora focar na minha família”.

Deltan também confirmou que será substituído por pelo procurador Alessandro José Fernandes de Oliveira, que atualmente faz parte do grupo de trabalho da Lava Jato da Procuradoria-Geral da República (PGR), chefiado pela subprocuradora-geral Lindôra Maria Araújo. No vídeo, o procurador afirmou que Alessandro é um procurador competente, além de ser ‘colaborador da Lava Jato’.

O chefe da força-tarefa em Curitiba diz que Alessandro vai integrar uma equipe de 14 procuradores, alguns deles já dedicados à investigação praticamente desde o seu início, em 2014. Além disso, ao pedir apoio à operação, o procurador afirmou que a força-tarefa vai continuar firme, mas ‘decisões que estão sendo e serão tomadas’ em Brasília vão afetar os trabalhos do grupo.

Nos últimos meses, Deltan foi alvo de contestações no Conselho Nacional do Ministério Público, inclusive com pedidos de remoção compulsória.

Além disso, a força-tarefa de Curitiba tem sido alvo de Aras, que já disse ser preciso uma ‘correção de rumos’ na operação para evitar o que chama de excessos. O procurador-geral foi ao Supremo Tribunal Federal exige acesso ao banco de dados da operação, que contém informações sigilosas sobre os investigados, mas a investida foi barrada pelo ministro Edson Fachin, relator do caso na Corte. Aras deve decidir ainda esse mês sobre a prorrogação das forças-tarefas, ao mesmo tempo em que tramita na Procuradoria-Geral de República um projeto para unificar os grupos sob uma coordenadoria em Brasília.

Em nota, integrantes da força-tarefa da Lava Jato no Paraná agradeceram Deltan: “Desempenhou com retidão, denodo, esmero e abnegação suas funções, reunindo raras qualidades técnicas e pessoais. A liderança exercida foi fundamental para todos os resultados que a operação Lava Jato alcançou, e os valores que inspirou certamente continuarão a nortear a atuação dos demais membros da força-tarefa, que prosseguem no caso”, afirmaram em nota.

O procurador Robson Pozzobon, colega de trabalho de Deltan, também destacou o trabalho do chefe da força-tarefa: “Deltan Dallagnol fará muita falta na força-tarefa Lava Jato. Sua imensa contribuição ao caso fez toda a diferença.? Agora o importante é que se dedique ao máximo a sua família.? Mais uma vez, acerta em sua escolha e tem nosso total apoio e admiração”, afirmou em seu perfil no Facebook.

O ministro Sérgio Moro, que já defendeu Deltan em ‘ataques’ à Lava Jato também se manifestou sobre a saída do procurador do comando da operação em Curitiba: “Parabenizo o Procurador Deltan Dallagnol pela dedicação à frente da Força Tarefa da Lava Jato em Curitiba, trabalho que alcançou resultados sem paralelo no combate à corrupção no País. Apesar de sua saída por motivos pessoais, espero que o trabalho da FT possa prosseguir.”

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Lula recorre ao STF para obrigar ‘Conselhão’ a julgar Deltan Dallagnol

Procurador Deltan Dallagnol vai deixar força-tarefa da Lava Jato

Deltan move ação contra Gilmar Mendes por danos morais

Mais conteúdo sobre: