Piauí

Equatorial Piauí demite mais de mil funcionários e compromete atendimento

A última leva de demissões ocorreu na última sexta-feira (14), mesma data em que a empresa acabou deixando vários consumidores sem energia elétrica.

Victória Xavier
Teresina
Thais Guimarães
Teresina
- atualizado

A Equatorial Piauí demitiu nos últimos 12 meses cerca de 1.400 funcionários como processo de reestruturação da empresa, segundo informou o Sindicato dos Urbanitários do Piauí (SINTEPI). A última leva de demissões ocorreu na última sexta-feira (14), mesma data em que a empresa acabou deixando vários consumidores sem energia elétrica, em função do quadro de pessoal insuficiente para atender a demanda de manutenção da rede em Teresina.

Diante da necessidade urgente de manutenção na rede elétrica, a empresa não conseguiu atender aos consumidores em tempo hábil e várias regiões da cidade permaneceram sem energia por mais de 24h. A situação causou transtornos, prejuízos e reações por parte de moradores das zonas sudeste, leste e sul de Teresina, que acabaram bloqueando avenidas em protesto pela falta de solução para o problema.

De acordo com o Sindicato dos Urbanitários, a diretoria do SINTEPI já se reuniu com cerca de 150 trabalhadores demitidos pela Equatorial Piauí, com o objetivo de buscar soluções jurídicas para a reparação moral e material dos trabalhadores, que eram concursados e foram dispensados sem justa causa pela empresa privada.

De acordo com o SINTEPI, as demissões sem justa causa poderão trazer impactos relevantes para economia do Estado, uma vez que milhares de funcionários capacitados estão sendo substituídos por mão de obra terceirizada, ocasionando má prestação na distribuição e manutenção de energia elétrica no Estado.

O que diz a Equatorial

A empresa Equatorial emitiu uma nota esclarecendo que a maioria dos funcionários desligados da empresa apresentaram pedido de desligamento espontâneo no âmbito dos dois Programas de Demissão Voluntária (PDV´s) ofertados pela empresa.

Confira a nota na íntegra:

A administração da Equatorial Piauí segue totalmente comprometida com o necessário processo de reestruturação econômico-financeira em curso na empresa e este reequilíbrio passa necessariamente pela urgente adequação do quadro de pessoal a real necessidade operacional da Companhia.

Importante registrar que todo e qualquer ato de desligamento que venha a ocorrer na Equatorial Piauí, inerente ao processo de reorganização da Companhia, é ato de gestão ordinária da empresa, sendo sempre praticado em respeito às normas trabalhistas vigentes.

Importante esclarecer, ainda, que a grande maioria dos colaboradores desligados da empresa apresentaram pedido de desligamento espontâneo no âmbito dos dois Programas de Demissão Voluntária (PDV’s) ofertados pela Equatorial Piauí.

Destaca-se que, além dos PDV’s, outras alternativas foram apresentadas pela Companhia para atenuar o impacto do processo de adequação do quadro de pessoal da empresa, porém elas não foram aceitas pela entidade Sindical da categoria.

Por fim, a Equatorial Piauí reitera que se manterá firme no compromisso de retomar os investimentos para melhoria do sistema elétrico do estado do Piauí, que em 2019 superou a monta de 300 milhões de reais, para oferecer uma energia cada vez melhor com transparência e responsabilidade. E os investimentos continuam em 2020. Mais de 300 milhões de reais são previstos para este ano em melhorias do sistema elétrico.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Empresário registra B.O. contra Equatorial Piauí após 48h sem energia

Moradores estão há dois dias sem energia elétrica no Lourival Parente

Moradores do bairro São João estão há quase 48h sem energia elétrica

Sem energia, moradores bloqueiam carro da Equatorial no Renascença

Energia de 96% dos clientes foi restabelecida em Teresina, diz Equatorial

Mais conteúdo sobre: