Economia e Negócios

Governo Federal pensa em reduzir beneficiários de auxílio emergencial

Ministro da Economia, Paulo Guedes, tem até a segunda-feira da semana que vem para apresentar os cálculos das propostas em discussão para que Bolsonaro defina as parcelas e anuncie no dia seguinte.

Por  Estadão Conteúdo
- atualizado

A renovação do auxílio emergencial para a população de baixa renda poderá ter um impacto adicional de até R$ 100 bilhões. Uma das opções que entrou na mesa é reduzir o público alvo do auxílio ao longo das próximas parcelas até chegar ao número de beneficiários previstos para o novo Renda Brasil, o futuro programa social do governo que vai substituir o Bolsa Família.

O presidente Jair Bolsonaro tem ouvido lideranças políticas e quer bater o martelo sobre os valores e anunciar até terça-feira da semana que vem a prorrogação do auxílio. Os estudos estão sendo feitos pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, que terá até segunda-feira para apresentar os cálculos das propostas em discussão para que Bolsonaro defina as parcelas.

De acordo com uma fonte que acompanha as negociações, há três propostas em discussão:

-Uma alternativa seria a edição de um decreto e uma Medida Provisória (MP) para oferecer mais uma parcela de R$ 600 (setembro) e duas de R$ 300 (outubro e novembro).

-O segundo caminho seria a edição de uma MP com mais quatro parcelas de R$ 300 (setembro a dezembro).

-A terceira via seria reduzir o público-alvo do auxílio emergencial ao longo das próximas parcelas até chegar ao número de contemplados previstos para o Renda Brasil.

Atualmente, o Bolsa Família atende 14 milhões de famílias. A ideia é que o Renda Brasil contemple cerca de 21 milhões de famílias, com aumento de um terço do público beneficiário. Hoje, mais de 66 milhões de pessoas recebem o auxílio emergencial de R$ 600, criado como ajuda extra a desempregados, informais e beneficiários do Bolsa Família para fazer frente à pandemia.

O governo já destinou R$ 254,4 bilhões para o pagamento do auxílio emergencial de R$ 600, num total de cinco parcelas (de abril a agosto). A despesa mensal do auxílio está em R$ 51,5 bilhões, e todos os gastos do governo para combater a pandemia e seus efeitos estão sendo bancados com o aumento do endividamento do País.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Senado aprova auxílio emergencial de R$ 600 para atletas durante a pandemia

Paulo Guedes diz que governo estuda reformular auxílio emergencial

Governo estuda estender auxílio emergencial até o fim de 2020

Mais conteúdo sobre: