Eleições 2020

Iracema Portella defende que fundo eleitoral seja usado para a Saúde

A deputada e o senador Ciro Nogueira defendem que as eleições municipais deste ano sejam adiadas para 2022.

Andressa Martins
Teresina
- atualizado

Nesta segunda-feira (23) deputada federal Iracema Portella (Progressistas) usou as redes sociais para se manifestar a favor do adiamento das eleições municipais deste ano por conta da pandemia do novo coronavírus (Covid-19) que assola a população brasileira. A deputada defende que o fundo eleitoral seja repassado para a Saúde.

A manifestação da deputada segue a linha do senador Ciro Nogueira, presidente nacional do Progressistas. Ambos defendem que as eleições sejam adiadas por dois anos, doando assim o valor do fundo eleitoral, os gastos no dia da eleição e os recursos destinados à Justiça Eleitoral para a Saúde no enfrentamento do vírus. O montante final, conforme a deputada, seria de R$ 8 milhões.

  • Foto: Lucas Dias/GP1Iracema Portella Iracema Portella

“Sou totalmente favorável ao adiamento, por dois anos, das eleições. Acho que o partido deveria propor a doação do fundo eleitoral, que é no valor de R$ 2 bilhões, mais o custo do dia da eleição, que é mais de R$ 2 bilhões e que já que não vai ter demanda na Justiça Eleitoral, nós reduzirmos em 0 o valor dos recursos destinados à Justiça Eleitoral, que anualmente é em torno de R$ 8 bilhões, diminuiria para R$ 4 bilhões. Se somar tudo, teríamos recursos no montante de R$ 8 bilhões par doarmos para a saúde do nosso país. Seria muito mais importante do que termos a eleição este ano”, disse a deputada.

A declaração se deu após o senador piauiense Elmano Férrer (Podemos) protocolar uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) sugerindo o adiamento das eleições. O mandato dos atuais prefeitos se estenderia até 2022 e os prefeitos que não estiverem no seu segundo mandato, poderiam disputar a reeleição.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Elmano Férrer protocola PEC para adiar eleições municipais

Mandetta defende adiar eleições de 2020 para conter coronavírus