Teresina - PI

Juíza nega liberdade a acusado de assassinar Gabriel Brenno

A juíza Maria Zilnar apontou que a prisão do acusado segue fundamentada devido aos indícios de autoria do crime, prova de materialidade e garantida da ordem pública.

Davi Fernandes
Teresina
- atualizado

A juíza Maria Zilnar Coutinho Leal, da 2ª Vara do Tribunal Popular do Júri de Teresina, negou o pedido de liberdade feito pela defesa de Deivid Ferreira de Sousa, acusado de assassinar o estudante Gabriel Brenno da Silva Nogueira Oliveira, 21 anos, no Centro de Teresina no dia 17 de julho de 2019. A decisão foi dada no último dia 9 de janeiro.

A Promotoria de Justiça emitiu parecer contra o pedido de revogação da prisão de Deivid Ferreira, pois considerou que se encontram presentes os requisitos legais para que o acusado continue preso.

Nos autos, a juíza Maria Zilnar apontou que a prisão preventiva do acusado foi decretada devido aos indícios de autoria do crime, prova de materialidade e garantida da ordem pública. Com isso, os princípios da prisão de Deivid Ferreira ainda seguem fundamentada nos requisitos.

  • Foto: Hélio Alef/GP1Deivid Ferreira de SousaDeivid Ferreira de Sousa

“A prisão do acusado ora requerente, foi decretada em consonância com os indícios de autoria, prova da materialidade do delito, para garantia da ordem pública e aplicação da lei penal. Os motivos que antes autorizaram a decretação da prisão preventiva, ainda persistem. O modus operandi empregado no cometimento do delito, revela a periculosidade do acusado ao meio social e autoriza a manutenção de sua prisão preventiva”, apontou.

Além do pedido de liberdade, a defesa do suspeito pediu também uma possível substituição da prisão preventiva por prisão domiciliar. A magistrada também indeferiu o novo pedido.

“Quanto a renovação do pedido de substituição da prisão preventiva por prisão domiciliar, também o indefiro, pois, os elementos probatórios colhidos ao longo da instrução, não autorizam o pleito defensivo. De forma que no tocante ao referido pleito, persiste o mesmo entendimento já consignado na decisão proferida”, considerou.

  • Foto: Facebook/Gabriel NogueiraGabriel Brenno NogueiraGabriel Brenno Nogueira

Relembre o caso

Gabriel Brenno foi baleado na cabeça na manhã do dia 17 de julho de 2019, em frente à pensão onde morava na Rua Paissandu, no centro de Teresina. De acordo com o 1º Batalhão da Polícia Militar, o autor do crime, identificado apenas como Deivid Ferreira de Sousa, de 34 anos, efetuou o disparo na vítima e se evadiu do local.

Ele morreu às 5h45 do dia 23 de julho, após passar seis dias internado no Hospital de Urgência de Teresina (HUT). Segundo a assessoria de comunicação do HUT, complicações em decorrência do tiro causaram a morte do jovem.

Prisão

Deivid Ferreira de Sousa, foi preso na manhã do dia 7 de agosto no bairro Verde Lar, localizado na zona leste de Teresina. Ele estava escondido no interior de uma residência, quando os policiais fizeram incursão no imóvel e deram voz de prisão ao mestre de obras.

Em entrevista à imprensa, Deivid confessou o crime e disse que estava arrependido.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Acusado de matar Gabriel Brenno é levado para o sistema prisional

Justiça mantém prisão de acusado de assassinar Gabriel Brenno

Família de Gabriel Brenno faz manifestação em frente ao Fórum Criminal

Taiane assume em audiência que era amante de Gabriel Brenno

MPF é contra liberdade do acusado de matar Gabriel Brenno