Teresina - PI

Lourdes Melo não presta contas e PCO tem fundo partidário bloqueado

Procurada pelo GP1, a presidente estadual do (PCO), professora Lourdes Melo informou que ainda não tinha tomado conhecimento da decisão, e por isso, não iria comentar.

Fábio Wellington
Teresina
- atualizado

O Tribunal Regional Eleitoral do Piauí (TRE-PI), em sessão judiciária ordinária realizada por videoconferência na tarde dessa quarta-feira (07), determinou a suspensão do repasse de recursos oriundos do fundo partidário para o Partido da Causa Operaria (PCO) no Piauí. No estado a agremiação é comandada pela professora Lourdes Melo, que é candidata à prefeita de Teresina.

Segundo a Corte Eleitoral, a decisão foi tomada após os desembargadores por unanimidade e em harmonia com o parecer do Procurador Regional Eleitoral, Leonardo Carvalho Cavalcante de Oliveira, julgarem como não prestadas as contas do (PCO-PI), referente ao exercício financeiro de 2019.

  • Foto: Marcelo Cardoso/GP1Lourdes MeloLourdes Melo

Um parecer técnico da Coordenadoria de Controle Interno do TRE-PI (COCIN) apontou que o diretório estadual do partido não encaminhou a documentação mínima necessária que possibilitasse a análise da origem e movimentação financeira dos recursos, em especial do fundo partidário. Ou seja, não apresentou extratos bancários, muito menos extratos de prestação de contas devidamente assinados.

Ainda de acordo com o TRE-PI, a presidente do partido, Maria de Lourdes Soares Melo e o tesoureiro Renato Farac Galata foram notificados pela Justiça Eleitoral, transcorrendo todos os prazos concedidos, mesmo assim, permaneceram inertes, sem apresentar qualquer justificativa quanto a obrigação de sanar as irregularidades apontadas e prestar as respectivas contas referentes ao exercício financeiro de 2019.

Outro lado

Procurada pelo GP1, a presidente estadual do (PCO), professora Lourdes Melo informou que ainda não tinha tomado conhecimento da decisão, e por isso, não iria comentar.