Piauí

Ministério Público denuncia jornalista Arimatéia Azevedo à Justiça

A denúncia foi protocolada pelo promotor de Justiça, José Eduardo Carvalho Araújo, no último dia 29 de junho de 2020.

Brunno Suênio
Teresina
- atualizado

O Ministério Público do Estado do Piauí, através do promotor José Eduardo Carvalho Araújo, denunciou à Justiça o jornalista e proprietário do Portal AZ, José de Arimatéia Azevedo, e o professor da UESPI, Francisco de Assis Barreto, acusados do crime de extorsão. A denúncia foi protocolada no último dia 29 de junho de 2020.

Os dois foram presos em Teresina pelo Grupo de Repressão e Combate ao Crime Organizado (Greco) em 12 de junho, sob acusação de extorquir o cirurgião plástico Alexandre Andrade Souza.

  • Foto: Marcelo Cardoso/GP1Arimateia Azevedo Arimateia Azevedo

De acordo com a denúncia, no mês de janeiro de 2020, Arimatéia Azevedo, juntamente com Francisco de Assis Barreto, teriam constrangido com o intuito de obter para si, indevida vantagem econômica, da vítima Alexandre Andrade Souza, que acabou cedendo e pago a quantia de R$ 20 mil ao jornalista.

Acordo de delação premiada

O promotor considerou o acordo de colaboração premiada de Francisco de Assis Barreto, perante os delegados responsáveis pelo caso, acompanhado pelo Ministério Público e posteriormente homologado à Justiça, como forma de redução de 2/3 a pena privativa de liberdade, nos termos do Artigo 4º da lei 12.850/13, incluído pela lei 13.964/19, restando vinculada tal redução à confirmação das declarações prestadas perante a autoridade policial, em depoimento prestado durante a audiência de instrução e julgamento, caso seja condenado.

  • Foto: Lucas Dias/GP1Francisco Barreto acompanhado por policiaisFrancisco Barreto acompanhado por policiais

A pena para o crime de extorsão é a de reclusão, de quatro a dez anos, e multa.

Nessa segunda-feira (06), o procurador de Justiça, Antônio Gonçalves Vieira, emitiu parecer contrário ao habeas corpus impetrado pela defesa do jornalista Arimatéia Azevedo, que cumpre prisão domiciliar desde o último dia 17 de junho de 2020, ocasião em que deixou a sede da Academia de Polícia Civil do Piauí.

Entenda o caso

O jornalista Arimatéia Azevedo, proprietário do Portal AZ, foi preso em casa, no bairro Todos os Santos, zona sudeste de Teresina, nas primeiras horas da manhã do dia 12 de junho de 2020 pelo Grupo de Repressão ao Crime Organizado (GRECO), durante o cumprimento de um mandado de prisão preventiva por crime de extorsão qualificada, expedido pelo juiz da Central de Inquéritos, Valdemir Ferreira Santos, na última quinta-feira (11).

O jornalista é suspeito extorquir um médico da Capital, publicando notícias contra o cirurgião plástico Alexandre Andrade Souza, que depois de várias tentativas acabou cedendo e realizou o pagamento de R$ 20 mil em dinheiro a um homem de confiança de Arimatéia Azevedo, identificado como Francisco de Assis Barreto, professor da UESPI, que também acabou sendo preso por força de um mandado de prisão preventiva.

O crime ocorreu em meados de janeiro de 2020 e, desde fevereiro, a Polícia Civil passou a investigar o caso e conseguiu reunir elementos que corroboraram com a denúncia apresentada pela vítima. Em razão disso, o delegado responsável pelo inquérito solicitou o mandado de prisão, que foi expedido pelo juiz da Central de Inquéritos, Valdemir Ferreira Santos, e cumprido na manhã do dia 12.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Desembargador concede prisão domiciliar a Arimatéia Azevedo

Jornalista Arimatéia Azevedo é transferido para a sede da Acadepol

Presidente do Sindjor repudia prisão de Arimatéia Azevedo

Médico que denunciou Arimatéia Azevedo pagou indenização a paciente

"Sou mais do que inocente, eu combato bandidos", diz Arimatéia Azevedo

Quebra de sigilo telefônico comprova extorsão de Arimatéia Azevedo, diz juiz que autorizou prisão

Jornalista Arimatéia Azevedo é preso pelo GRECO em Teresina