Saúde

"Operação Gangrena" da PF investiga desvios de R$ 7 milhões na gestão de Wellington Dias

A Polícia Federal deflagrou a Operação nas primeiras horas da manhã de hoje (21) para cumprir 30 mandados de busca e apreensão e 18 mandados de condução coercitiva.

Brunno Suênio
Teresina

A proprietária da Serrafarma Distribuidora de Medicamentos, Liliane Gomes dos Passos, está sendo trazida de forma coercitiva para Teresina. A Polícia Federal deflagrou a Operação Gangrena em conjunto com a Controladoria Geral da União (CGU) nas primeiras horas da manhã de hoje (21) para cumprir 30 mandados de busca e apreensão e 18 mandados de condução coercitiva em várias regiões de Teresina, Parnaíba, além de Recife-PE.

De acordo com a Polícia Federal, a operação investiga empresários do ramo de medicamentos, gestores e advogados envolvidos em fraudes em licitações e contratos irregulares.

Imagem: ReproduçãoAgentes da PF cumprindo mandado de busca e apreensão na empresa Serrafarma em Teresina(Imagem:Reprodução)Agentes da PF cumprindo mandado de busca e apreensão na empresa Serrafarma em Teresina

A investigação revela a ação 04 (quatro) empresas fornecedoras de medicamentos para Secretaria de Saúde do Piauí - SESAPI, que ilicitamente burlaram a licitação feita através Pregão nº 096/2009, comprometendo a competitividade à medida que, a compra de medicamentos se deu por menor preço por lote ao invés de menor preço por item, excluindo assim os laboratórios fabricantes dos medicamentos. As empresas agiram no sentido de superestimar as necessidades dos hospitais; não entregaram os medicamentos adquiridos, o que se constata no uso de notas ficais frias e falta de controles rígidos no almoxarifado central da SESAPI. Sete milhões foram desviados em proveito do grupo investigado, através de atos de corrupção, envolvendo agentes públicos vinculados a Central de Controles de Licitações - CCEL (SEAD) e Secretaria de Saúde do Estado do Piauí – SESAPI no governo Wellington Dias.

Imagem: Brunno Suênio/GP1Superintendente Nivaldo Farias e Delegado Wellington Santiago(Imagem:Brunno Suênio/GP1)Superintendente Nivaldo Farias e Delegado Wellington Santiago

De acordo com o Superintendente Regional da Polícia Federal no Piauí, Nivaldo Farias de Almeida, em entrevista coletiva dada ainda na manhã de hoje (21), foram desviados recursos que somam quase 7 milhões de reais, verificados desde o início das investigações no final de 2009. Sete empresários envolvidos no esquema tiveram suas contas bloqueadas e estão impedidos de sair do país.

Imagem: ReproduçãoEmpresas e valores(Imagem:Reprodução)Empresas e valores

De acordo com a PF, a investigação apura desvio de recursos nas gestões dos ex-secretários Assis Carvalho, Telmo Mesquita e Lílian Martins.

Imagem: Brunno Suênio/GP1Superintendente(Imagem:Brunno Suênio/GP1)Superintendente

As investigações foram iniciadas partindo de uma informação da Controladoria Geral da União (CGU) em que ficou verificado, durantes as investigações, a compra de medicamentos com a dispensa de licitação. Ainda de acordo com o Superintendente houve também algumas empresas que chegaram a participar do processo e ofereciam um custo pequeno dos serviços, mas após ganhar a licitação reajustava seus valores.

Imagem: Brunno Suênio/GP1 Materiais apreendidos na operação de hoje (21)(Imagem:Brunno Suênio/GP1)Materiais apreendidos na operação de hoje (21)

A Secretaria Estadual de Saúde (Sesapi) divulgou nota de esclarecimento sobre a operação deflagrada pela PF. Confira:

A Secretaria de Estado da Saúde informa que está dando todo o suporte necessário para que a Polícia Federal realize seu trabalho de investigação, a respeito do que se trata a Operação Gangrena, deflagrada esta manhã. A Sesapi informa ainda que a operação faz parte de um inquérito que a PF já vinha trabalhando e diz respeito a gestões do governo anterior.

Curta a página do GP1 no facebook:www.facebook.com/PortalGP1

Mais conteúdo sobre: