Picos - PI

Projeto do Padre Walmir pode causar rombo de R$ 10 milhões, diz oposição

Bancada de oposição ingressou com representação junto ao Ministério Público para adiar votação do projeto.

José Maria Barros
Picos
- atualizado

A bancada de oposição ao prefeito de Picos, Padre José Walmir de Lima (PT), afirma que o projeto que autoriza a suspensão das contribuições previdenciárias patronais poderá gerar um rombo na Previdência Própria do município de até R$ 10 milhões.

De autoria do executivo, o projeto de lei seria votado nesta quinta-feira, 2 de julho, pela Câmara Municipal de Picos em duas sessões, sendo uma ordinária e a outra extraordinária convocada pela presidência da casa.

  • Foto: José Maria Barros/GP1Projeto  de lei é de autoria do prefeito Padre WalmirProjeto de lei é de autoria do prefeito Padre Walmir

Cinco vereadores que compõem a bancada de oposição ao prefeito ingressaram ontem, 1º de julho, com uma representação junto ao Ministério Público Estadual, solicitando o adiamento da votação para apreciação da matéria, enviada a casa no último dia 25 de maio.

Assinam a representação os vereadores Francisco das Chagas de Sousa, o Chaguinha (PTB); Francisca Celestina de Sousa, a Dalva Mocó (PTB); José Arimateia Luz, o Maté (PP); Antônio Marcos Gonçalves Nunes, o Toinho de Chicá (PP) e José Joaquim de Carvalho, o Dedé Monteiro (PP).

  • Foto: José Maria Barros/GP1Vereador Chaguinha, líder da bancada de oposiçãoVereador Chaguinha, líder da bancada de oposição

A representação dos vereadores foi protocolada e distribuída ao gabinete da 1ª Promotoria de Justiça de Picos.

Retirado de pauta

Previsto para ser votado nesta quinta-feira, 2 de julho, em duas discussões e definitivo, o projeto de lei de autoria do prefeito Padre José Walmir de Lima (PT), que suspende o recolhimento das contribuições previdenciárias patronais devidas ao Regime Próprio de Previdência Social (RPPS) foi retirado de pauta.

  • Foto: José Maria Barros/GP1Câmara de Picos suspende votação do projetoCâmara de Picos suspende votação do projeto

Apesar da polêmica e do posicionamento contrário da bancada de oposição, a suspensão das contribuições previdenciárias está prevista no artigo 9º da Lei Complementar nº 173, que foi sancionada pelo Presidente da República, Jair Bolsonaro, no dia 27 de maio e publicada no Diário Oficial da União, edição de 28 do mesmo mês.

Em seu artigo 9º, a lei Complementar nº 173 destaca: “Ficam suspensos, na forma do regulamento, os pagamentos dos refinanciamentos de dívidas dos Municípios com a Previdência Social com vencimento entre 1º de março e 31 de dezembro de 2020”.

Outro lado

Procurado na noite desta quinta-feira (02), o procurador do município de Picos, Maycon Luz, informou que a prefeitura considera totalmente infundada a informação repassada pela oposição.

Confira a nota na íntegra:

O Município de Picos considera totalmente infunda a informação repassada pela bancanda de oposição à administração municipal de Picos que estimam de forma aleatória um suposto prejuízo financeiro de aproximadamente 10 milhões na previdência própria do Município, por conta de um Projeto de Lei encaminhado à Câmara.

Ressalta que o Projeto de Lei encaminhado a Câmara Municipal foi elaborado com base na Lei Complementar nº 173 de 2020 que estabelece o Programa Federativo de Enfrentamento ao Coronavírus SARS-CoV-2 (Covid-19) .

Informa ainda que atendendo uma recomendação do Ministério Público Estadual, o referido projeto de Lei foi retirado da pauta de votação e será devolvido a Prefeitura Municipal para analisar a possibilidade de adequação aos pontos recomendados pelo Ministério Público.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Promotora expede recomendação ao prefeito de Picos Padre Walmir

Câmara de Picos vota projeto que suspende pagamento de contribuições previdenciárias