Santa Cruz do Piauí - PI

Sindicato denuncia prefeito Barroso Neto ao Tribunal de Contas

Na denúncia, Gabriel afirma que desde que Murilo Clementino, primo do prefeito, assumiu a secretaria de Saúde, que estão sendo registradas várias reclamações.

BÁRBARA RODRIGUES
DE TERESINA
- atualizado

O Sindicato dos Funcionários Públicos Municipais de Santa Cruz do Piauí, por meio do seu presidente Gabriel José Ferreira Neto, protocolou no dia 24 de abril uma denúncia no Tribunal de Contas do Estado do Piauí (TCE-PI) contra a prefeitura de Santa Cruz do Piauí, que tem como gestor Barroso Neto, por perseguição e acomodação política na sua administração. O conselheiro Aberlado Pio Vilanova é o relator do processo.

Na denúncia, Gabriel Ferreira afirma que desde que Murilo Clementino, primo do prefeito, assumiu a secretaria de Saúde, que estão sendo registradas várias reclamações sobre o não cumprimento dos direitos trabalhistas, como a “não concessão de reajustes salariais previstos em lei, transferências imotivadas e sem justificativa para servidores, agindo com perseguição política, com o não cumprimento de plano de cargos e salários”.

  • Foto: Marcelo Cardoso/GP1Prefeito de Santa Cruz do Piauí, Barroso NetoPrefeito de Santa Cruz do Piauí, Barroso Neto

Destacou ainda que o gestor tem feito “acomodações políticas”, por meio de contratação de comissionados, pagando altos salários. “Acomodação de um grande número de servidores contratados e comissionados que não trabalham como deveriam, não cumprem a carga horária como mandam os contratos e ganham elevados salários, sem falar nos poucos funcionários efetivos ganhando gratificações altíssimas em seus salários por acomodações políticas, tudo amplamente demonstrado em outras denúncias protocoladas”, destacou.

Ainda consta que no hospital municipal faltam médicos para o devido atendimento a população e que são “várias as reclamações de pacientes e familiares, por contas de médicos que atendem e prescrevem medicamentos por telefone ou simplesmente pelo aplicativo ‘Whatsapp’, determinando a aplicação de medicamentos, sem ao menos ver ,analisar ou fazer um simples atendimento ao paciente, um verdadeiro absurdo que merece ser devidamente apurado e combatido”.

Gabriel Ferreira ainda cita a falta constante de medicamentos de uso contínuo para a população carente do município. Ele finaliza informando que a prefeitura recebeu em 2017 cerca de R$ 620 mil do governo federal e que seja informado como esse valor tem sido aplicado.

Outro lado

Barroso Neto não foi localizado pelo GP1.