Teresina - PI

Sinpoljuspi denuncia transferência irregular de preso para Casa de Custódia

Segundo o Sinpoljuspi, o preso foi transferido a fim de manter relações sexuais com a parceira e pouco menos de 24 horas depois, retornou para a unidade de origem, em Altos.

Brunno Suênio
Teresina
Nayrana Meireles
Teresina
- atualizado

O Sindicato dos Agentes Penitenciários do Piauí – Sinpoljuspi – denunciou que um detento identificado como Rogério Mattos da Luz, vulgo Batman, foi transferido da Casa de Detenção Provisória de Altos para a Penitenciária José Ribamar Leite (Casa de Custódia de Teresina), a fim de manter relações sexuais com a parceira e pouco menos de 24 horas depois retornou para a unidade de origem, em Altos.

Rogério Mattos da Luz é apontado pela Polícia Civil do Piauí como um dos maiores criminosos que atuam em ações contra instituições financeiras. Somente no estado do Paraná, ele já possui quatro processos e no Piauí acabou sendo preso no ano de 2016, em um desdobramento da Operação Forasteiros.

  • Foto: DivulgaçãoTransferência de Rogério Mattos da LuzTransferência de Rogério Mattos da Luz

De acordo com o presidente do Sinpoljuspi, Kleiton Holanda, o procedimento ocorreu de forma irregular, tendo em vista que havia necessidade de decisão judicial para que acontecesse a transferência entre as unidades.

“O que a gente sabe é que esse preso foi remanejado da CDP de Altos para a Casa de Custódia, possivelmente, com argumentação de que seria transferido para outro local. Ele foi na tarde de terça-feira (19), por volta de 17h. Já na quarta-feira (20), se dirigiu uma senhora para lá. Ela adentrou na Casa de Custódia, com o diretor da unidade, para ter uma visita íntima. Só que todo preso que chega no estabelecimento, ele passa quatro dias na triagem de adaptação, para que os servidores vejam o preso que retornou, para saber se ele está lá e para o próprio preso conhecer a dinâmica, isso é praxe da unidade, é praxe em todo presídio. A visita, por sua vez, também apresenta um protocolo de acesso, de investigação social, de apresentação de documentos. Então a gente entendeu que houve uma regalia a um chefe de facção criminosa no Brasil, arranjado sabe lá por quem”, informou.

  • Foto: Helio Alef/GP1Kleiton HolandaKleiton Holanda

Ainda segundo Kleiton Holanda, a situação colocou em risco os agentes penitenciários, que foram deslocados para satisfazer necessidades pessoais de um detento, considerado um dos maiores assaltantes de bancos no Brasil.

“Ele foi levado apenas para satisfazer suas necessidades pessoais, isso programado pela própria gestão do estado do Piauí, colocando em risco os servidores que estão indignados porque eles foram servidos de motorista para o preso e nós não queremos isso. O Estado alega tanto a questão da falta de suprimentos, combustível, viaturas e favorece o preso com o transporte só para ter relação sexual e voltar para a unidade de origem. É um absurdo!”, denunciou.

Sinpoljuspi vai acionar a Justiça

“Nós iremos oficiar o juiz da vara de execuções penais para que ele esteja a par da situação para que ele também faça as colocações, que ele possa apurar. Se o preso tivesse entrado na Justiça para requerer tal atendimento especial e o juiz deferisse o pedido, mesmo assim o preso teria que passar pelos protocolos de atendimento, os protocolos de segurança, isso não pode ser quebrado, por mais que haja uma ordem judicial, mas nesse caso não há, há apenas um diretor recebendo e devolvendo o preso sem ordem judicial”, frisou Kleiton Holanda.

O que diz a Secretaria de Justiça do Piauí

Procurada, a Sejus não quis se pronunciar sobre o caso.