Política

Supremo suspende decisão sobre quadrilhão do PP

O ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato no STF, anunciou que seu voto levaria mais de uma hora, tornando impossível que todos os votos fossem lidos na sessão desta terça.

Por  Estadão Conteúdo

A segunda turma do Supremo Tribunal Federal (STF) suspendeu nesta terça-feira, 21, o julgamento sobre o PP. Os congressistas Aguinaldo Ribeiro (PP-PB) – líder da Maioria na Câmara – Arthur Lira (PP-AL), Eduardo da Fonte (PP-PE) e Ciro Nogueira (PP-PI) – presidente nacional do partido – são acusados de formar organização criminosa.

O ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato no STF, anunciou que seu voto levaria mais de uma hora, tornando impossível que todos os votos fossem lidos na sessão desta terça. A segunda turma ainda é composta pelos ministros Cármen Lúcia, Ricardo Lewandowski, Gilmar Mendes e Celso de Mello. O colegiado então decidiu adiar o desfecho do julgamento, que ainda será marcado.

O caso poderá concluir que o PP é uma organização criminosa e impactar o julgamento de políticos do PT e do MDB, que ocorrerão depois. De acordo com a defesa dos políticos acusados, o PP não se enquadra como organização criminosa da maneira em que ela foi caracterizada na lei de 2013 que trata do assunto.

A segunda turma do STF tem imposto uma série de derrotas à Lava Jato. Além disso, o plenário decidiu, em março, que cabe à Justiça Eleitoral julgar casos de corrupção em que também há caixa 2.