Uruçuí - PI

TJ marca julgamento e MP pede a perda do mandato do prefeito Wagner

A pena para o crime é a detenção, de 3 (três) a 5 (cinco) anos, e multa. O relator da ação penal é o desembargador Erivan Lopes.

Nayrana Meireles
Teresina
- atualizado

O plenário virtual da 2ª Câmara Especializada Criminal do Tribunal de Justiça do Piauí vai julgar, a partir do dia 20 até 27 de setembro deste ano, a ação penal em que é réu o prefeito de Uruçuí, Francisco Wagner Pires Coelho, mais conhecido como “Dr. Wagner”, acusado de dispensar ou inexigir licitação fora das hipóteses previstas em lei.

A pena para o crime é a detenção, de 3 (três) a 5 (cinco) anos, e multa.

  • Foto: Marcelo Cardoso/GP1Dr. Wagner, Prefeito de UruçuíWagner, Prefeito de Uruçuí

O relator da ação penal é o desembargador Erivan Lopes.

A denúncia

Segundo denúncia do então procurador-geral de Justiça, Cleandro Moura, Dr.Wagner contratou a empresa J. A. da Silva Eventos – ME, através de dispensa de licitação, para a prestação de serviços de organização de eventos, incluindo sonorização, ornamentação, iluminação, locação de palco, montagem e desmontagem de tendas, banheiros químicos e animação musical para realização das festividades em comemoração aos festejos de São Sebastião, no período de 13 a 20 de janeiro de 2017, no valor de R$ 193.690,00.

“Analisando-se o procedimento de dispensa de licitação e o contrato firmado entre o Município de Uruçuí-PI e J. A. da Silva Eventos - ME, constata-se com facilidade que a situação que ensejou a assinatura do contrato não se enquadrava como nenhuma das previstas em lei como passível de dispensa de licitação. Logo, o contrato firmado é nulo, configurando o crime previsto no art. 89 da Lei nº 8.666/93", diz trecho da denúncia.

A defesa do prefeito

O prefeito justificou a dispensa de licitação na hipótese prevista no inciso IV do Art. 24 que dispõe que é dispensável a licitação: IV - nos casos de emergência ou de calamidade pública, quando caracterizada urgência de atendimento de situação que possa ocasionar prejuízo ou comprometer a segurança de pessoas (...).

Para o MP, “a mera leitura do dispositivo legal já é suficiente para concluir que a situação concreta que levou à contratação em nada se adequa à disposição legal. Emergência e calamidade públicas são situações de extremo risco aos bens relevantes e à própria população, não havendo como se confundir estas situações com a realização de um evento festivo, por mais tradicional que ele seja”.

O órgão ministerial enfatizou que, ainda que de fato não houvesse tempo para a realização da licitação, a não contratação de empresa para o evento não configuraria situação de emergência para os munícipes, pois não haveria risco ou prejuízo irreparável de qualquer natureza, ainda que o evento não se realizasse naquele ano.

Ministério Público pede a perda do mandato

O MP pede a condenação do prefeito à perda do mandato eletivo e inabilitação para o exercício de outros cargos, conforme art. 83 da Lei 8.666/93, assim como a fixação de valor mínimo para reparação dos danos causados pela infração, considerando os prejuízos sofridos pelo erário.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Prefeito Wagner vira réu acusado de contratar empresa sem licitação

TCE aplica multa ao prefeito Wagner por irregularidade em licitação

Prefeito Wagner diz que cumpre leis que regulamentam as licitações