GP1

Teresina - Piauí

Apipa: a luta diária para ajudar cães e gatos abandonados

Com dívidas em clínicas que chegam a R$ 60 mil, a ONG hoje abriga cerca de 80 cães e 290 gatos, e luta diariamente para conseguir manter os animais, alguns estão há mais de 8 anos no local.

Criada há 11 anos, a Associação Piauiense de Proteção e Amaor aos Animais (Apipa) se tornou uma referência quando se trata de abrigo de cães e gatos na cidade de Teresina. Com dívidas em clínicas que chegam a R$ 60 mil, a ONG hoje abriga cerca de 80 cães e 290 gatos, e luta diariamente para conseguir manter os animais, alguns estão há mais de 8 anos no local e nunca conseguiram ser adotados.

A arquiteta Daniela Ramos está há 8 anos na ONG e atualmente é a presidente. Em entrevista ao GP1, ela explicou que mesmo trabalhando e criando dois filhos, decidiu trabalhar de forma voluntária com o objetivo de ajudar no resgate e adoção de animais na capital.

  • Foto: Hélio Alef/GP1Daniele RamosDaniela Ramos

“Inicialmente o objetivo da Apipa era mais um trabalho relacionado à Educação, com palestras relacionadas a castração e conscientização. O objetivo era esse, mas o abrigo surgiu devido a uma necessidade, pois começaram a surgir animais, que não tinham onde ficar. Começamos a recolher e no final, uma pessoa que nos ajuda muito, que gosta muito de animais, resolveu alugar uma casa no Morada do Sol, mas ficou uma situação tão grande, que essa pessoa nos doou o terreno e através de arrecadação conseguimos erguer a Apipa”, explicou.

Além de 5 funcionários, a ONG possui vários voluntários que não recebem dinheiro para ajudar no seu funcionamento. “Temos os funcionários, mas a maioria trabalha, então a gente faz o que pode para ajudar. Tiramos dinheiro do nosso bolso para poder fazer isso, nós usamos nossos carros para fazer os resgates, mas o que a gente faz é porque queremos muito ajudar e com fé em Deus temos conseguido”, afirmou Daniela.

Cães adultos não conseguem adoção

Hoje, entre os desafios está conseguir viabilizar a adoção dos animais adultos, o que dificilmente acontece. Isso tem impedido que a ONG recolha outros animais adultos e apenas os filhotes conseguem espaço, já que são facilmente adotados.

De 80 cães, cerca de 70 são adultos. “A gente tem uma média de duas a três adoções por dia. No final de semana é mais. Só que são muitos filhotes. As pessoas procuram muito pelos menores. As pessoas até pedem ajuda para os animais grandes, só que a gente não tem vaga. Para filhotes é mais fácil, acomodamos eles em uma gaiola, um cercadinho, e eles se dão bem, mas com os animais grandes não, quando eles entram no abrigo, muitas vezes não podemos misturar com outro e a gente está realmente sem espaço para os grandes, fora que eles entram e não saem. Tem animais que estão no abrigo há oito anos e é exatamente esse o nosso principal problema”, explicou Daniela Ramos.

  • Foto: Instagram/ApipaApipa faz campanha para adoções de animaisApipa faz campanha em redes sociais para adoções de animais

Ela destacou que a Apipa não sacrifica animais, por isso eles são cuidados até que uma adoção possa acontecer. “Temos animais com deficiência e amputados. A gente fica com os animais, diferente de muitos abrigos onde eles têm prazo de dois meses e depois são sacrificados para dar entrada a outros. Só que nós não temos coragem de fazer isso. Sabemos que eles não vão sair de lá, pois requerem tratamento, despesas altas e dificilmente aparecem pessoas que sabem da situação do animal e levam para casa. A gente tem saída de animais, mas apenas dos filhotes, os mais novos, os idosos não saem. Quando as pessoas pedem para resgatar filhotes, nós ainda resgatamos, porque a gente sabe que eles vão sair, mas para adultos nós nem temos espaço”, lamentou.

Abandono de animais adotados

A Apipa toma todo o cuidado durante o processo de adoção, já que é necessário preencher um formulário com várias perguntas, mas um problema ocorrido em 2017 fez a ONG evitar feiras de adoções.

Animais que foram adotados acabaram sumindo, gerando indignação para os trabalhadores da Apipa. “Estamos evitando fazer feiras, porque as entrevistas são feitas rápidas e não dá para avaliar muito bem a situação. A última feira que a gente fez foi na Potycabana e vai fazer um ano e meio. A gente foi atrás desses animais e nenhum estava mais na casa dessas pessoas. Nenhum. Não sabemos que fim levou e eram todos animais adultos castrados. Eram animais que a gente estava muito apegado, que estavam com a gente há anos e nenhum dos animais estão nessas casas. Fomos fazer visitas e as pessoas dão desculpas esfarrapadas, dizendo que o animal está em outra casa e tal. Imagina a nossa frustação. Em seis meses a gente foi fazer essa procura e cinco animais não estão mais nas casas, não sabemos que fim levaram eles, por isso motivo não fazemos mais feiras. Nesses eventos os animais saem rápidos, parece que as pessoas pegam por impulso”, criticou Daniela.

Adoção com castração

Para gerar uma adoção responsável, a Apipa somente permite a adoção de animais castrados. Com a castração o animal não consegue se reproduzir, mas também tem um aumento na sua expectativa de vida e existe uma melhora no seu comportamento.

  • Foto: Instagram/ApipaApipa pede adoções de cães e gatosApipa pede adoções de cães e gatos

“O grande problema hoje é que os animais não são castrados. As pessoas não têm consciência que a castração é o investimento mais barato que você vai fazer para seu animal, pois dá longevidade e mais saúde. Por isso sugerimos castrar tanto o macho, quanto a fêmea. A diferença é muito grande, eles ficam mais saudáveis. As pessoas dizem que é caro, mas alguns veterinários fazem por até R$ 60. A gente até indica. Claro que se levar em uma clínica veterinária pode chegar a R$ 500, porque cobram consulta, internação e sai um preço absurdo, mas temos pessoas que fazem para a gente barato, então indicamos”, disse.

Daniela Ramos disse que “os adultos nós só entregamos castrados, mas como não temos muitos recursos, os filhotes a gente só entrega se a pessoa fizer a castração. A pessoa até acha que a gente é chata, mas se ali na entrega a gente pede a castração e pessoa diz que vai fazer depois, a gente não entrega. No caso do gato, ele só pode ser castrado a partir dos 5 meses, então se ele tiver menos que isso, não doamos, esperamos ele ter a idade para isso”.

Para adotar ainda é necessário comprovar que pode cuidar do animal. “A gente tem um formulário a ser preenchido, que é tipo uma entrevista, com uma série de perguntas, uma das coisas que visamos muito, é saber qual é a condição da casa, se é cercada ou murada, porque senão o animal vai fugir e acabar voltando para a gente. Fazemos uma série de exigências, mas mesmo assim não é 100%. Pedimos fotos da casa, pedimos comprovante de residência, essas coisas”, explicou.

Como as redes sociais, a Apipa tem conseguido doar os animais que não estão na ONG, que foram encontradas por outras pessoas e que procuram um lar.

“Uma das nossas principais ações é postar nas redes sociais, onde acabamos doando mais, pois se uma pessoa tem uma cadela que teve cria e a pessoa quer doar, a gente posta na nossa rede social e acabamos conseguindo a adoção. Essas saem muito. Esses são os que divulgamos. Os nossos, a gente não divulga, pois é uma regra do abrigo, porque os filhotes não são castrados e só divulgamos animais do abrigo que são castrados”, disse a presidente da ONG.

Dívidas

Vivendo apenas com as doações, as despesas da ONG são em torno de R$ 17 mil por mês, contando com o pagamento aos cinco funcionários, rações, água e luz, além de uma dívida de cerca de R$ 60 mil com clínicas veterinárias para o tratamento dos animais.

“Nem todo mês a gente consegue fechar com as nossas despesas mensais e fora que a gente tem um gasto com clínica absurda, de R$ 60 mil e vai aumentando. Não estamos podendo pagar. Para dizer que a gente não paga, na clínica Criar temos um boleto mensal de R$ 2 mil. Só que assim, pagamos R$ 2 mil, mas gastamos uns três mil. Nós recebemos animais fraturados e é uma bola de neve onde não sabemos onde vamos parar, mas com fé em Deus vamos conseguir”, declarou Daniela.

  • Foto: Instagram/ApipaApipa pede adoções de animaisApipa pede adoções de animais

Ajude

Para ajudar, são aceitas doações de rações, materiais de limpeza e de enfermaria. Também podem ser doados jornais e dinheiro para ajudar com os custos. Recentemente a Apipa recebeu do Grupo Carvalho e da JSB cerca de 668 kg de ração para cães, mas atualmente falta para gatos.

As contas para doação são:

Caixa Econômica Federal

Agência: 0855

Conta Poupança: 83090-0

Operação: 13

Banco do Brasil

Agência: 3507-6

Conta Corrente: 57615-8

Santander

Agência: 4326

Conta: 13000087-4

Para pagamento on-line acesse o site da ONG. Para mais informações entre em contato com (86) 98846-8020.

Para Adotar

A Apipa está localizado na Rua 38, nº 1041, no Loteamento Vila Uruguai, próximo a Uninovafapi. Ela fica aberta de 14h às 16h. No local a pessoa irá preencher um formulário, deve levar cópias dos documentos de identificação pessoal como RG e CPF, uma foto da pessoa responsável pela adoção, comprovante de residência e os documentos originais.

Se aprovada, a pessoa assinará um termo de adoção responsável, para garantir que está ciente dos seus deveres perante o animal e também para evitar maus-tratos.

  • Foto: Instagram/ApipaDelegacia investiga maus tratos a animais Delegacia investiga maus tratos a animais

Mais conteúdo sobre:

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2022 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.