GP1

Teresina - Piauí

Procurador apura prejuízos da greve no transporte público em Teresina

O Núcleo de Mediação do Tribunal Regional do Trabalho da 22ª Região conduziu uma reunião de negociação entre o Sintetro e Setut, porém não ocorreu acordo entre as partes.

O Ministério Público do Trabalho no Piauí (MPT-PI), por meio do procurador João Batista Machado Júnior, vai avaliar se existe a necessidade de instauração de dissídio coletivo na greve dos ônibus do sistema de transporte público de Teresina por conta da falta de acordo entre as partes. Os motoristas e cobradores estão há mais de um mês em paralisação.

Na última quarta-feira, o Núcleo de Mediação do Tribunal Regional do Trabalho da 22ª Região conduziu uma reunião de negociação entre o Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Transportes Rodoviários no Estado do Piauí (Sintetro) e o Sindicato das Empresas de Transportes Urbanos de Passageiros de Teresina (Setut). O MPT-PI participou auxiliando na tentativa de estabelecer um diálogo produtivo entre os dois sindicatos. Após quase duas horas de discussão, não foi possível um acordo.

  • Foto: Lucas Dias/GP1Ônibus no centro de TeresinaÔnibus no centro de Teresina

O procurador iniciou uma investigação para apurar se os usuários do transporte coletivo de Teresina estão sendo diretamente prejudicados com a greve dos motoristas e cobradores. O MPT solicitou à Superintendência Municipal de Trânsito (Strans) documentos que comprovem, dentre outras informações, a quantidade de ônibus que deveria estar circulando, caso não houvesse a greve, e quantos estão efetivamente rodando durante o período.

O Ministério Público do Trabalho quer saber, ainda, quantos veículos foram cadastrados para atender a população desde que motoristas e cobradores decidiram parar.

Ao Sintetro, o procurador solicitou atas de assembleia, atos de comunicação de greve, como também dos atos que garantem a prestação de serviços ao atendimento das necessidades dos usuários do sistema de transporte coletivo.

O MPT quer saber ainda se o Setut acordou com o sindicato dos trabalhadores as tratativas para garantir a prestação dos serviços indispensáveis durante a greve e o número de veículos que estão circulando nesse período.

“Sabe-se que a Strans cadastrou ônibus e vans para que a população não ficasse desassistida. Como também o Poder Público já havia adotado providências para diminuir o número de usuários do serviço durante o período de isolamento social. Como se trata de greve em um serviço essencial, o MPT somente tem a legitimidade para atuar em defesa da ordem jurídica e do interesse público. Não cabe ao Ministério Público agir em defesa do interesse das categorias envolvidas na greve”, disse o procurador João Batista Machado.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Motoristas de ônibus estão em greve há quase 25 dias em Teresina

Após 300 demissões, motoristas e cobradores de ônibus protestam em Teresina

Setut lamenta decisão do Sintetro em deflagrar greve em Teresina

Mais conteúdo sobre:

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2021 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.