GP1

Teresina - Piauí

“O acordo no transporte deveria ter sido feito em janeiro”, diz Edson Melo

O vereador criticou a demora para a concretização do acordo entre a Prefeitura e empresas de transporte.

O vereador de Teresina Edson Melo (PSDB) criticou a demora para a concretização do acordo entre a Prefeitura de Teresina e as empresas responsáveis pelo sistema de transporte coletivo de Teresina, assinado nesta quinta-feira (7).

“Eu gostaria de dizer que esse acordo no transporte deveria ter sido feito em janeiro. Já está com 9 meses de atraso. Segundo quero dizer como técnico, não como político, mas como técnico e cidadão de Teresina que torce para que as coisas melhorem”, criticou Edson Melo.

Foto: Alef Leão/GP1Vereador Edson Melo
Vereador Edson Melo

O tucano avaliou que o sistema não vai voltar a funcionar a contento de forma rápida, tendo em vista que é necessário que os passageiros tenham segurança que irão conseguir se deslocar utilizando o transporte público.

“Não será em um passe de mágica que o sistema volta a normalidade. Até porque o passageiro só vai voltar a utilizar o ônibus quando tiver segurança que as ordens de serviço estarão cumpridas. O passageiro só vai se deslocar para uma parada de ônibus quando tiver certeza que o ônibus vai passar, que não vai ficar esperando uma, duas horas e o ônibus não passar. Isso é lentamente, gradualmente”, continuou o vereador.

Edson ainda defendeu que as linhas de integração sejam mantidas. “É isso que esperamos, que a população volte a acreditar. E para que isso aconteça, os ônibus tem que ser ofertados, as linhas de integração têm que continuar. Houve uma conversa de que iria mudar o transporte todo, de que quem quisesse fazer transporte poderia fazer. Dessa forma eu como técnico não recomendo e acho que não funciona”, finalizou o parlamentar.

Mais conteúdo sobre:

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2021 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.