GP1

Teresina - Piauí

Conselho Comunitário da Vila Irmã Dulce nega invasão em posto de saúde

O Conselho pediu retratação pública da Rede Record, que veiculou reportagem em rede nacional.

O Conselho de Presidentes das Associações dos Moradores da Vila Irmã Dulce, localizada na zona sul de Teresina, emitiu uma nota de repúdio quanto à reportagem veiculada nacionalmente na última quinta-feira (1°) pelo Programa Cidade Alerta, da Rede Record, que tratou sobre uma suposta invasão em um posto de saúde como sendo na Vila Irmã Dulce, zona sul de Teresina, região que estaria dominada por milícias e facções criminosas.

Em nota, o conselho negou os acontecimentos e disse que grande parte das imagens veiculadas não ocorreram na Vila Irmã Dulce, sendo a mais grave, onde registra uma invasão ao posto de saúde com disparos de arma de fogo, que, na verdade, se deu na vizinha cidade de Timon, no estado do Maranhão.

O Conselho pediu uma ampla retratação pública da emissora, visando minorar todos os efeitos ocasionados pela veiculação da reportagem, no qual chamou de “irresponsável, sendo informações inverídicas sobre casos que não ocorreram na referida comunidade”.

Leia a nota na íntegra:

"O Conselho de Presidentes das Associações que representam os moradores sediados na Vila Irmã Dulce, localizada em Teresina, Estado do Piauí, vem através da presente nota manifestar seu REPUDIO às informações veiculadas nacionalmente pelo meio de comunicação RADIO e TV RECORD LTDA por meio do Programa Cidade Alerta em 01 de abril de 2021.

Fora veiculada reportagem retratando a Vila Irmã Dulce como uma localidade dominada por milícias e facções criminosas, tendo registrado que o Posto de Atendimento de Saúde localizado na referida comunidade prioriza atendimentos à criminoso, tendo, inclusive veiculado imagens quanto a troca de tiros que supostamente teriam ocorrido no referido local.

Contudo, a empresa de televisão afronta a todos os princípio éticos que deve ser basear quando se busca reproduzir qualquer tipo de informação. Sabe-se que a divulgação de informações devem ser precisas e corretas, sendo dever do meio de comunicação se pautar na veracidade dos fatos, principalmente quando envolve o interesse público.

O Conselho ora subscritor da presente nota vem informar que a Vila Irmã Dulce, considerada a segunda maior ocupação da América Latina, enfrenta graves problemas sociais, como toda comunidade localizada em periferias das grande capitais, contudo, não na gravidade informada pela Rede Record de Televisão.

Grande parte das imagens veiculadas não ocorreram na Vila Irmã Dulce, sendo a mais grave, onde registra a invasão de posto de saúde com disparos de arma de fogo, ocorrida na vizinha cidade de Timon, Estado do Maranhão.

A veiculação de informações de maneira irresponsável, como procedeu a rede de televisão ora repudiada, amplia o abismo social existente entre as comunidades periféricas nas grandes cidades, perante àqueles que não tem o real convívio dos desafios que cada morador afetado sofre diariamente. Tais atos aumentam o preconceito e interpretações equivocadas sobre a Vila Irmã Dulce, podendo resultar em um prejuízo imensurável à todos aqueles que aqui residem.

Assim, o que se espera da RADIO E TV RECORD LTDA, é um ampla retratação pública, visando minorar todos os efeitos ocasionados pela veiculação irresponsável de informações inverídicas sobre casos que não ocorreram na Vila Irmã Dulce e que sequer colheram informações de moradores e/ou lideranças sobre a real situação social da referida comunidade.

Por fim, o Conselho de Presidentes de Associações que se reuniram para subscrever a presente nota, reafirmam seu compromisso na luta pela redução da desigualdade social existente na Vila Irmã Dulce, bem como o respeito àqueles que construíram sua história na referida comunidade, tendo uma realidade completamente diferente da registrada pela RADIO E TV RECORD LTDA.

Teresina, 03 de abril de 2021".

Mais conteúdo sobre:

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2021 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.