GP1

Boqueirão do Piauí - Piauí

Promotor abre investigação contra prefeita de Boqueirão do Piauí

A prefeita contratou três empresas para fornecimento de materiais de construção por R$ 2,7 milhões.

Após reportagem publicada pelo GP1, intitulada “Prefeita Genir Ferreira vai gastar R$ 2,7 milhões com materiais de construção”, o Ministério Público do Estado do Piauí, por meio do promotor Roberto Monteiro Carvalho, instaurou Notícia de Fato para apurar contratação da Prefeitura de Boqueirão do Piauí com as empresas Maria Rosa Chaves Paulino – ME, Costa & Neiva LTDA e M. das Graças Sousa Carvalho – EPP.

Segundo o promotor Roberto Monteiro Carvalho, a Notícia de Fato foi instaurada nessa quarta-feira (26), com objetivo de investigar se há irregularidade nas contratações das três empresas pela prefeita Genir Ferreira (PT). As empresas foram contratadas para fornecimento de materiais de construção.

Foto: Reprodução/FacebookGenir Ferreira
Genir Ferreira

A empresa Maria Rosa Chaves Paulino – ME, situada em Campo Maior, foi contratada pelo valor de R$ 1.580.697,50 (um milhão, quinhentos e oitenta mil, seiscentos e noventa e sete reais e cinquenta centavos). A empresa Costa & Neiva LTDA, tem sede no município de Barras, foi contratada por R$ 1.044.870,29 (um milhão, quarenta e quatro mil, oitocentos e setenta reais e vinte e nove centavos). Já a empresa das Graças Sousa Carvalho – EPP, que funciona também na cidade de Barras, deve receber R$ 94.126,00 (noventa e quatro mil, cento e vinte e seis reais) da Prefeitura de Boqueirão do Piauí.

Juntos, os contratos somam R$ 2.719.693,79 (dois milhões, setecentos e dezenove mil, seiscentos e noventa e três reais e setenta e nove centavos). Os três contratos têm vigência até o dia 31 de dezembro de 2021.

Outro lado

Procurada na manhã desta quinta-feira (27), a prefeita Genir Ferreira não foi localizada pelo GP1.

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2022 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.