GP1

Piracuruca - Piauí

Demóstenes Ribeiro emite nota de repúdio contra Prefeitura de Piracuruca

Segundo o presidente da APEF-PI, a prefeitura não incluiu profissionais de Educação Física na vacinação.

O presidente da Associação dos Profissionais de Educação Física do Estado do Piauí (APEF-PI), Demóstenes Ribeiro, divulgou nesta quinta-feira (01) uma nota de repúdio contra a Prefeitura de Piracuruca, administrada pelo prefeito Assis Mãozinha, por não incluir os profissionais de Educação Física como sendo do grupo prioritário para a imunização contra a covid-19.

Na nota, Demóstenes diz que a não inclusão dos educadores físicos contraria o que consta no plano nacional de operacionalização da vacinação contra a covid-19 do Governo Federal, datado de 15/03/2021.

Foto: Lucas Dias/GP1Demóstenes Ribeiro
Demóstenes Ribeiro

“Os profissionais de Educação Física estão na linha de frente no combate a Covid-19, fazendo um trabalho preventivo, cuidando da saúde da população”, diz trecho da nota.

Confira abaixo a nota na íntegra:

Nota de Repúdio

A Associação dos Profissionais de Educação Física do Estado do Piauí – APEF-PI, vem a público repudiar a administração da Prefeitura Municipal de Piracuruca, que não estão considerando os profissionais de Educação Física como sendo do grupo prioritário para a imunização contra a Covid-19, seguindo assim de forma contrária o que consta no plano nacional de operacionalização da vacinação contra a Covid-19 do Governo Federal, datado de 15/03/2021, conforme consta no Anexo I do referido plano.

Considera-se trabalhadores da saúde a serem vacinados na campanha, os indivíduos que trabalham em estabelecimentos de assistência, vigilância à saúde, regulação e gestão à saúde; ou seja, que atuam em estabelecimentos de serviços de saúde, a exemplo de hospitais, clínicas, ambulatórios, unidades básicas de saúde, laboratórios, farmácias, drogarias e outros locais. Dentre eles, estão os profissionais de saúde que são representados em 14 categorias, conforme resolução n° 287, de 8 de outubro de 1998, do Conselho Nacional de Saúde (médicos, enfermeiros, nutricionistas, fisioterapeutas, terapeutas ocupacionais, biólogos, biomédicos, farmacêuticos, odontólogos, fonoaudiólogos, psicólogos, assistentes sociais, profissionais da educação física, médicos veterinários e seus respecvos técnicos e auxiliares), agentes comunitários de saúde, agentes de combate às endemias, profissionais da vigilância em saúde e os trabalhadores de apoio (exemplos: recepcionistas, seguranças, trabalhadores da limpeza, cozinheiros e auxiliares, motoristas de ambulâncias, gestores e outros). Inclui-se, ainda, aqueles profissionais que atuam em cuidados domiciliares (exemplos: programas ou serviços de atendimento domiciliar, cuidadores de idosos, doulas/parteiras), funcionários do sistema funerário, Instituto Médico Legal (lML) e Serviço de Verificação de Óbito (SVO) que tenham contato com cadáveres potencialmente contaminados e; acadêmicos em saúde e estudantes da área técnica em saúde em estágio hospitalar, atenção básica, clínicas e laboratórios. Os trabalhadores que atuam nos estabelecimentos de serviços de interesse à saúde das instituições de longa permanência para idosos (ILPI), casas de apoio e cemitérios serão contemplados no grupo trabalhadores da saúde e a recomendação é que também sejam vacinados. (texto transcrito https://www.gov.br/saude/pt-br/media/pdf/2021/marco/23/plano-nacional-de-vacinacao-covid-19-de-2021).

Os profissionais de Educação Física estão na linha de frente no combate a Covid-19, fazendo um trabalho preventivo, cuidando da saúde da população.

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2022 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.