GP1

Teresina - Piauí

Cícero Magalhães descarta consenso na disputa pelo TCE

Na conversa que tivemos com o governador é verdade porque quem tem três não tem nenhum”, alertou Cícero.

O deputado estadual Cícero Magalhães não acredita que a Assembleia Legislativa do Piauí (Alepi) vá alcançar o consenso acerca da disputa pela vaga de conselheiro do Tribunal de Contas do Estado (TCE-PI). O PT conta com três postulantes ao cargo e ao falar sobre essa indefinição interna, Cícero destacou o trecho de uma conversa com o governador Wellington Dias (PT), que orientava para o entendimento no partido.

“Eu não acredito [no consenso] porque que são vários nomes postos para essa disputa. Tem o Zé Santana, Flávio Júnior, Wilson Brandão. O PT é o que mais candidatos tem. Flora que vai para o quinto mandato, tem o Franzé que é um excelente companheiro com muita qualificação, o companheiro Ziza Carvalho que é procurador. Na conversa que tivemos com o governador é verdade, porque quem tem três não tem nenhum”, alertou Magalhães durante entrevista ao GP1 nessa segunda-feira (26).

Foto: Lucas Dias/GP1Cícero Magalhães
Cícero Magalhães

Prazo

O deputado estadual reforçou a informação trazida pelo GP1 na semana passada, de que Wellington deu um prazo para que seu partido entre em consenso para a corrida pelo Tribunal. “O PT deve até dia primeiro ou dois para saber quem vai ser seu candidato ou candidata para o TCE”, ponderou o petista.

Candidatos

Além dos candidatos do PT, mais três deputados pretendem disputar a vaga de conselheiro do TCE, Wilson Brandão (Progressistas), Zé Santana (MDB) e Flávio Júnior (PDT).

Vacância

O ex-conselheiro Luciano Nunes deixou o TCE após aposentadoria compulsória. Depois deste primeiro passo, o Tribunal vai anunciar a vacância à Alepi, responsável pela abertura de edital para escolha do novo conselheiro.

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2021 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.