GP1

Madeiro - Piauí

Advogado que testemunhou morte do prefeito Zé Filho sofre atentado a tiros

O advogado Francisco Miranda foi assessor jurídico do Município de Madeiro na gestão de Zé Filho.

O advogado Francisco Miranda, ex-assessor jurídico da Prefeitura de Madeiro na gestão do prefeito Zé Filho – assassinado a tiros em novembro de 2021 – teve sua casa alvejada por 11 disparos de arma de fogo na madrugada desta segunda-feira (13). Em entrevista ao GP1, ele afirmou que já havia recebido ameaças, isso porque é uma das principais testemunhas do crime contra o prefeito, de quem era grande amigo.

De acordo com o advogado, o fato aconteceu por volta de 1h desta madrugada. Ele já estava dormindo quando foi acordado pelos disparos. “Foi por volta de uma hora da manhã. Eu estava dormindo e fui surpreendido com vários tiros, primeiramente no portão e posteriormente na porta mais dentro da casa. Fiquei assustado, mas não saí da residência”, informou.

Foto: Reprodução/WhatsAppAdvogado Francisco Miranda
Advogado Francisco Miranda

Francisco Miranda disse que ouviu o barulho de um veículo em alta velocidade logo após os tiros. “Não sei quantas pessoas eram, eu sei que deram uma arrancada em um veículo e se evadiram do local. Tenho para mim que era um carro, mas alguns populares disseram que viram uma moto também. No portão da frente tinha seis disparos e na porta da casa tinha cinco”, detalhou.

Foto: Reprodução/WhatsAppMarcas de tiro na residência do advogado
Marcas de tiro na residência do advogado

Proximidade com Zé Filho

Além de trabalhar para o Município de Madeiro, o advogado era muito próximo do prefeito Zé Filho, prova disso é que ele estava presente no dia do crime e foi a pessoa quem socorreu o prefeito. “Era assessor jurídico no governo do prefeito Zé Filho, eu era muito próximo do Zé Filho, muito amigo dele, e sempre que tinha alguma decisão a ser tomada ele sempre me procurava para auxiliá-lo. Andávamos muito juntos, a gente tinha um vínculo muito próximo. Estou arrolado como testemunha, relatei só aquilo que eu sei e que presenciei, inclusive fui eu quem fiz o socorro do Zé Filho no dia do atentado contra a vida dele, eu estava no momento, fui eu quem socorri ele e levei para o hospital”, contou Francisco Miranda.

Foto: Jota B. DamascenoPrefeito Zé Filho, de Madeiro
Prefeito Zé Filho, de Madeiro

“Não tenho inimigos”

Francisco Miranda ressaltou que não tem inimigos, contudo, revelou que já havia recebido ameaças, por ser testemunha do crime contra o prefeito. “Não tenho inimigos, nem eu e nem ninguém da minha família tem conhecimento de que uma outra pessoa tenha alguma desavença ou insatisfação em relação a minha pessoa. Eu já ouvi falar sim [de ameaças]”, frisou o ex-assessor.

OAB

Diante do ocorrido, nessa terça-feira (14) o advogado vai se dirigir à sede da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) em Teresina e também à Delegacia Geral da Polícia Civil do Piauí, a fim de pedir providências em relação a sua segurança e de sua família.

“Eu já tinha pedido antes, porque já tinha ouvido relatos de ameaças contra a minha pessoa e amanhã vou reforçar novamente, porque agora aconteceu o ato. Na primeira vez há uns três meses eu relatei para o presidente da OAB, Celso Barros, e relatei também para o delegado geral o que vinha acontecendo. Como aconteceu o ato, amanhã irei novamente à procura, tanto do presidente da OAB, quanto do delegado geral, pedindo providências”, concluiu Francisco Miranda.

Mais conteúdo sobre:

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2022 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.