Fechar
GP1

Piauí

Acusado de tentar matar filho do presidente do TJ-PI vai a Júri Popular

Caso seja condenado, o "Anjo da Morte" poderá pegar de 12 a 30 anos de prisão.

O acusado de tentar assassinar o advogado André de Almeida Sousa e Silva, filho do presidente do Tribunal de Justiça do Piauí, desembargador Hilo de Almeida, Francisco Jefferson da Silva Cruz, mais conhecido como "Anjo da Morte", integrante da facção criminosa conhecida como Comando Vermelho, foi pronunciado pela juíza Maria do Perpetuo Socorro Ivani de Vasconcelos, da 1ª Vara Criminal da Comarca de Parnaíba, para ser julgado pelo Tribunal Popular do Júri. A sentença de pronúncia foi dada no último sábado (22).

Francisco Jefferson será julgado pelo crime de tentativa de homicídio triplamente qualificado (por motivo fútil, meio cruel e uso de recurso que dificultou a defesa da vítima). Se condenado, ele poderá pegar de 12 a 30 anos de prisão.

Foto: GP1/Redes SociaisDesembargador Hilo de Almeida e o filho André de Almeida
Desembargador Hilo de Almeida e o filho André de Almeida

Para a magistrada, existem indícios suficientes da autoria, evidenciadas pelas provas oral e documental, cabendo ao Júri analisar as provas após amplo debate, para acolhê-las ou rejeitá-las.


A juíza manteve a prisão preventiva do acusado, sob o argumento que estão presentes as hipóteses autorizadoras da custódia preventiva, principalmente a garantia da ordem pública e aplicação da lei penal, não tendo surgido fato novo capaz de modificar tal entendimento uma vez que subsistem as causas autorizadoras da prisão preventiva, especialmente agora após a pronúncia.

A soltura do “Anjo da Morte”, diz a decisão, afronta a segurança pública, causando a sensação de impunidade colocando em risco a paz e tranquilidade da sociedade, apuração dos fatos e aplicação da sanção penal.

“Sendo assim, nego ao acusado o direito de recorrer em liberdade e não vislumbro qualquer óbice em manter a sua segregação cautelar de acordo com o Ministério Público”, finaliza a sentença de pronúncia.

Denúncia

De acordo com a denúncia, por volta das 02h da manhã, do dia 22 de março de 2023, a vítima estava em uma mesa com outras pessoas no bar “Gela Guela”, localizado na Avenida São Sebastião, próximo à Universidade Federal do Delta do Parnaíba (UFDPar), em Parnaíba.

Consta ainda que em outra mesa, estava Francisco Jefferson, na companhia de três mulheres, que eram: Suzana do Nascimento Gomes, vulgo “Sereia”, sua companheira, Ana Caroline Lins de Carvalho e Jordania Santos Carneiro de Brito.

Conforme o apurado, André tentou abrir a porta do banheiro para urinar, todavia, já estava ocupado por Francisco Jefferson, que fechou a porta. Diante disso, a vítima se afastou e urinou fora do banheiro, atrás de uma planta, o que causou a indignação de Ana Caroline e Jordania, que passaram a xingá-lo.

O membro ministerial continuou relatando na denúncia que a vítima voltou para a mesa em que estava, sendo seguido pelas mulheres, ocorrendo outra discussão, que culminou na tentativa de agressão delas contra André. Contudo, Francisco Jefferson se aproximou e empurrou a vítima, naquele momento, ocorrendo uma brevíssima luta corporal.

“Todavia, abruptamente, o ora denunciado sacou de uma arma de fogo e efetuou um disparo contra André, em seu rosto, que caiu ao chão, despejando grande quantidade de sangue. Após o fato, todos empreenderam fuga, tendo o denunciado tomado o sentido do Bairro Pindorama, pelo acesso da Rua Santa Cecília”, diz trecho da denúncia.

Prisão

Francisco Jefferson foi preso, no dia 25 de março, no bairro Jardim Vitória, em Parnaíba. Ele estava com a esposa, Suzana do Nascimento Gomes, que está grávida.

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2024 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.