Fechar
GP1

Piauí

Piauí terá 1ª Comissão Estadual para a Erradicação do Trabalho Escravo

O evento vai contar com a participação do procurador do Trabalho do MPT-PI, Edno Carvalho Moura.

O Estado do Piauí terá a primeira Comissão Estadual para a Erradicação do Trabalho Escravo e do Tráfico de Pessoas (Coetrae-PI). A institucionalização da comissão ocorrerá na segunda (13), às 8h30, no auditório da Secretaria de Estado de Administração (Sead), na Avenida Pedro Freitas, 2° andar, no Centro Administrativo, em Teresina.

Na oportunidade, também será lançado o 3º Plano Estadual de Erradicação do Aliciamento e de Prevenção ao Trabalho Escravo e ao Tráfico de Pessoas no Piauí.

Na programação haverá apresentação de vídeo sobre a realidade de trabalho escravo no estado do Piauí, e a posse dos titulares e suplentes da diretoria da Coetrae-PI.

O evento vai contar ainda, com a participação do procurador do Trabalho do Ministério Público do Trabalho do Piauí (MPT-PI), Edno Carvalho Moura, de representantes de entidades nacionais e locais, do governo e da sociedade civil.

Também estarão presentes na solenidade, representantes da Comissão Nacional para a Erradicação do Trabalho Escravo e do Ministério dos Direitos Humanos e da Cidadania e da Organização Internacional do Trabalho (OIT).

A Coetrae é uma instância colegiada de caráter consultivo, deliberativo e propositivo que acompanhará políticas, planos e ações de promoção ao migrante, trabalhos legislativos, projetos de cooperação técnica. A comissão realizará ainda, estudos, pesquisas e campanhas preventivas, além de articular políticas interinstitucionais no enfrentamento ao trabalho e ao tráfico de pessoas.

Ana Cristina Martins, coordenadora de Enfrentamento ao Trabalho Escravo da Superintendência de Igualdade Racial e dos Povos Originários da Secretaria de Estado da Assistência Social, Trabalho e Direitos Humanos (Sasc), declarou que a Coetrae é uma grande conquista para o Piauí que terá uma das mais completas composições no apoio e inclusão a trabalhadores vítimas desta prática desumana.

Mais conteúdo sobre:

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2024 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.