Fechar
GP1

Política

Jorge Kajuru disse que não cometeu crime ao divulgar conversa com Bolsonaro

O senador divulgou trechos de uma conversa com presidente Jair Bolsonaro.

O senador de Goiás Jorge Kajuru (Cidadania) afirmou a Revista Oeste nesta segunda-feira (12) que não cometeu crime ao gravar um diálogo com o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e divulgar o conteúdo da conversa.

Jair Bolsonaro criticou anteriormente o vazamento do áudio. “Eu fui gravado em uma conversa telefônica, está certo? A que ponto chegamos no Brasil. Gravado. Não é vazar. É te gravar. Gravação, só com autorização judicial. Gravar o presidente e divulgar… E outra, só para controle: falei mais coisa naquela conversa. Pode divulgar tudo, da minha parte”, disse o presidente a apoiadores no Palácio da Alvorada.

Na manhã desta segunda-feira (12), o senador de Goiás divulgou o restante do áudio da conversa com o presidente Bolsonaro. Na nova divulgação, Jair Bolsonaro falou sobre o senador Randolfe Rodrigues. “Se você [Kajuru] não participa [da CPI], a canalhada do Randolfe Rodrigues vai participar. E vai começar a encher o saco. Aí vou ter que sair na porrada com um b… desse”, disse Bolsonaro no áudio.O senador Kajuru rebateu as críticas feitas pelo presidente e esclareceu que em sua opinião não houve crime. “Eu não cometi crime nenhum, na minha opinião. Ouvi promotores, ouvi procuradores. Ninguém disse que eu cometi crime”, relatou o parlamentar.

“Já que o presidente pediu hoje cedo, eu coloquei a parte em que ele xingou os senadores de canalhada toda e xingou o Randolfe. Eu tinha tirado essa parte porque o Randolfe é meu amigo, meu ídolo, é especial, é meu irmão. Achei o presidente desrespeitoso com ele e com todos os senadores. Eu quis preservar os dois lados e não coloquei. Agora, hoje cedo ele pediu para colocar, eu coloquei”, detalhou Kajuru.


Mais conteúdo sobre:

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2024 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.