Colunista Celso Oliveira
GP1

Professores de Lagoa de São Francisco realizam conferência

O dinheiro está na conta e os professores visam cumprimento da lei e dizem que precatórios tem dono

Os professores da rede municipal de Lagoa de São Francisco-PI se reuniram na manhã desta terça-feira, 12 de outubro, para discutir ações em prol da efetivação do rateio dos precatórios referente à perdas do antigo FUNDEF-Fundo Nacional de Desenvolvimento do Ensino Fundamental. Perdas estas levantadas e conquistadas através de ação do MPF de São Paulo que garantiu aos estados e municípios das regiões Norte e Nordeste valores que deixaram de receber de 1996 a 2007.

Foto: Arquivo pessoal Celso Oliveira/JailsonLimaProfessor Celso Oliveira e colegas da comissão independente dos precatórios
Professor Celso Oliveira e colegas da comissão independente dos precatórios

Os docentes do município de Lagoa de São Francisco-PI aderiram à campanha desenvolvida através da articulação de grupos nas redes sociais do Brasil inteiro que leva o nome de: "O Brasil já sabe!. Precatórios do FUNDEF tem dono, 60% para professor".

Usando o mote da campanha voluntária e sem interferência de entidades ou empresas, os professores de Lagoa de São Francisco se reuniram em conferência para explanar tudo sobre as articulações e conquistas desde 2017 em prol do rateio.

Foto: Arquivo pessoal Celso Oliveira/JailsonLimaProfessor Celso Oliveira
Professor Celso Oliveira

"Nós temos quase 6 milhões de reais em conta e desse valor 60 é nosso que o gestor municipal dever nos pagar o quanto antes. Através da nossa luta investiremos tudo na economia do nosso povo", disse Celso Oliveira, professor no município e um dos articuladores do movimento nas redes sociais.   

Muitos municípios brasileiros já estão com o recurso em conta judicial determinada para pagar em forma de precatório obedecendo a Lei Federal 14057/20 em seu Art. 7º, Parágrafo Único que traz a forma de divisão do recurso destinado a cada ente federativo, sendo que a lei garante que no mínimo 60% do valor deve ser rateado em forma de abono com os professores efetivos, aposentados e pensionistas de acordo com lei e plano de rateio municipal ou estadual a depender do ente.

Foto: Arquivo pessoal Celso Oliveira/JailsonLimaProfessor Celso Oliveira e colegas da comissão independente dos precatórios
Professor Celso Oliveira e colegas da comissão independente dos precatórios

Os profissionais da educação buscam dar segurança jurídica para o gestor fazer a efetivação do rateio como determina a Lei Federal fundamentada no plano de rateio e na lei municipal já existente.

Foto: Arquivo pessoal Celso Oliveira/JailsonLimaProfessor Celso Oliveira e colegas da comissão independente dos precatórios
Professor Celso Oliveira e colegas da comissão independente dos precatórios

*** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do GP1

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2021 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.