GP1

Eleições 2020

TCU entrega lista de políticos piauienses inelegíveis ao TSE e MPE

O Piauí tem mais de 200 nomes na lista. Na relação constam nomes como o do atual prefeito de Luís Correia, Francisco Araújo Galeno, o conhecido ‘Kim do Caranguejo' e do prefeito de Matias Olí

O Tribunal de Contas da União (TCU) encaminhou, nesta segunda-feira (14), ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e ao Ministério Público Eleitoral (MPE) a lista dos políticos que tiveram contas julgadas irregulares nos oito anos anteriores, como previsto na Lei da Ficha Limpa.

De acordo com o secretário de Gestão de Processos do TCU, Mauro Giacobbo, quem estiver na lista não está automaticamente inelegível, já que o órgão federal não declara a inelegibilidade, mas sim a Justiça Eleitoral.

Na relação, constam os responsáveis que tiveram contas rejeitadas por irregularidade insanável e por decisão irrecorrível, ressalvados os casos em que a questão estiver sendo submetida à apreciação do Poder Judiciário, ou que haja sentença judicial favorável ao interessado, em cumprimento ao disposto no art. 11, § 5º, da Lei nº 9.504, de 1997.

O Piauí tem mais de 200 nomes na lista. Na relação constam nomes como o do atual prefeito de Luís Correia, Francisco Araújo Galeno, o conhecido ‘Kim do Caranguejo' e do prefeito de Matias Olímpio, Edísio Alves Maia, o conhecido ‘Fogoió’, e dos ex-prefeitos Francisco Antônio de Sousa Filho, o conhecido ‘Chico Antonio’, de Esperantina e do ex-prefeito Ronaldo Lages, de Nossa Senhora dos Remédios.

Na relação da também aparecem os nomes dos ex-deputados Francisco Donato Linhares de Araújo Filho, o conhecido ‘Chico Filho” e José Roncalli Costa Paulo.

Confira a lista do TCU abaixo ou clicando aqui

NOTÍCIAS RELACIONADAS

TCU divulga lista com nomes de políticos inelegíveis no Piauí

TCE divulga lista com nomes de políticos inelegíveis no Piauí

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2021 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.