Piauí

Advogado Alexandre Magno é denunciado à Justiça por corrupção ativa

O advogado e seu cliente são acusados de oferecer dinheiro a um policial civil lotado no 14º DP de Altos, a fim de que o agente público cessasse as investigações contra crime de tráfico de drogas.

Brunno Suênio
Teresina
- atualizado

O Ministério Público do Estado do Piauí denunciou à Justiça o advogado Alexandre Magno de Rosa Almeida Nunes e seu cliente, Francisco Fortes Delmiro Neto, vulgo “terceiro”, por crime de corrupção ativa. Os dois são acusados de oferecer dinheiro a um policial civil lotado no 14º DP de Altos, a fim de que o agente público cessasse as investigações contra crime de tráfico de drogas atribuído a Francisco Fortes no município de Altos. Caso sejam condenados, os dois podem pegar de 2 a 12 anos.

O representante ministerial denunciou ainda Francisco Fortes por crime de ameaça de morte contra o policial. A denúncia foi assinada pela promotora de Justiça Márcia Aída de Lima Silva, no último dia 04 de agosto de 2020.

Conforme denúncia do MP, a promotora destacou que no dia 24 de janeiro de 2019, por volta das 20h, o policial civil Cicero Araújo verificou a existência de várias ligações perdidas em seu telefone, pertencente ao advogado Alexandre Magno. Ao retornar a ligação, o advogado tratou da proposta de Francisco Fortes, seu cliente, em pagar uma quantia em espécie mediante a interrupção das investigações, bem como que o policial civil repassasse informações de processos relacionados ao investigado.

  • Foto: Reprodução/WhatsAppTerceiro e o advogado Alexandre Magno à direitaTerceiro e o advogado Alexandre Magno à direita

Na mesma situação, consta na denúncia que o advogado aconselhou o policial a ter cuidado com Francisco Fortes, vulgo terceiro, pois este estava determinando a “fazer sua caveira de qualquer jeito” e que ele e sua ‘turma’ estavam planejando forjar algo contra o agente, com o intuito de manchar sua reputação.

Em função disso, a Polícia Civil do Piauí deflagrou a Operação Gênesis, onde foi constatado o teor das ligações entre o advogado e seu cliente, restando comprovada a prática das infrações penais.

Diante o exposto, o Ministério Público denunciou Francisco Fortes Delmiro Neto, vulgo “terceiro”, pela prática dos crimes previstos nos artigos 147 e 333, e Alexandre Magno de Rosa Almeida Nunes (co-autor), pela prática do crime previsto no art. 333 e requereu instauração do processo, com recebimento da denúncia, e citação do acusado para, em dez dias, apresentar defesa escrita, seguindo-se a instrução e interrogatório, até final condenação.

A promotora solicitou ainda que seja apurada a conduta do advogado referente à prática do crime previsto no art. 349-A do Código Penal, em razão da suspeita de facilitar a entrada de aparelho celular na Casa de Custódia de Teresina em benefício de seu cliente.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Diálogos entre alvos da Operação Gênesis revelam plano para matar policial

Polícia deflagra Operação Gênesis e cumpre 36 mandados no Piauí