Política

Centrão não acredita que Kássio Marques deixará de ocupar vaga no STF

"Isso daí (inconsistências no currículo) é uma tentativa que não vai funcionar", disse o presidente do PP, o senador Ciro Nogueira (PI).

Por  Estadão Conteúdo

O Centrão já se mobiliza para blindar o desembargador Kássio Marques, indicado pelo presidente Jair Bolsonaro para ocupar uma vaga no Supremo Tribunal Federal (STF). Após o Estadão revelar ontem que o currículo do desembargador apresenta um curso de pós-graduação não confirmado pela Universidade de La Coruña, na Espanha, integrantes do Centrão e outros aliados do governo saíram em sua defesa. Nesta quarta, 7, veio a público que a dissertação de mestrado de Marques tem trechos idênticos a de artigos de um outro advogado.

Até mesmo o senador Renan Calheiros (MDB-AL), que não é do grupo, mas se aproximou de Jair Bolsonaro, disse que o presidente está deixando um “legado” com o desmonte da Lava Jato. "Ele já encadeou várias medidas, desde o Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras), a questão da Receita, a nomeação do Aras (Augusto Aras, procurador-geral da República) para a chefia do Ministério Público, a demissão do Moro (Sérgio Moro, da Justiça) e, agora, a nomeação do Kassio. É o grande legado que ele pode deixar para o Brasil: o desmonte desse sistema”, afirmou Renan, em entrevista à CNN Brasil. O senador é réu da Lava Jato e sempre criticou o que chama de “abusos” da operação.

Renan e outros parlamentares, além do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes e dos ministros Bruno Dantas e Vital do Rêgo Filho, do Tribunal de Contas da União (TCU), participaram de um jantar com Kassio Marques, oferecido pela senadora Kátia Abreu (PP-TO) nessa terça-feira, 6.

Na reunião, o desembargador atribuiu informações erradas em seu currículo a falhas na tradução. Presidente do PP, o senador Ciro Nogueira (PI) afirmou que as críticas feitas ao magistrado não serão capazes de prejudicar a confirmação do nome dele para o Supremo. O ministro Celso de Mello, decano da Corte, vai se aposentar no próximo dia 13 e a sabatina de Marques na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado está marcada para o dia 21.

  • Foto: Alef Leão/ GP1Senador Ciro Nogueira chega a sede do ProgressitasSenador Ciro Nogueira chega a sede do Progressitas

"Isso daí (inconsistências no currículo) é uma tentativa que não vai funcionar", disse Ciro Nogueira, ao deixar a casa de Kátia. Na mesma linha, o deputado Arthur Lira (AL), líder da bancada do PP na Câmara, defendeu Marques. “É um nome respeitado, com uma atuação firme. Foi uma excelente escolha do presidente”, comentou Lira.

O clima do jantar com o desembargador foi de descontração, com muitas gargalhadas. O presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), que já participou de outros encontros com Marques, também estava presente. No cardápio, um tipo de caranguejo comum na culinária do Tocantins.

"Ele (Kassio Marques) contou toda a luta e trajetória dele. Com certeza surpreendeu muito positivamente", declarou o presidente do MDB, deputado Baleia Rossi (SP). Marques deixou o apartamento de Kátia Abreu pela garagem, sem falar com os jornalistas.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Revista Crusoé diz que Kássio Marques plagiou dissertação de mestrado

Cursos de 3 anos foram feitos em 10 dias, apontam documentos apresentados Kassio Marques

'Que fique lá na sabatina dele', diz Mourão sobre currículo de Kassio Marques

Kassio Marques admite que não fez pós-graduação na Espanha

Universidade espanhola nega existência de pós-graduação que Kassio Marques diz ter feito

Kassio Marques passa por sabatinas informais em jantares com senadores