Saúde

Covid-19: China quer ampliar uso emergencial de vacinas em testes

Iniciada em julho com profissionais da linha de frente no combate à covid, utilização de imunizantes experimentais agora está sendo oferecida para estudantes e servidores públicos.

Por  Estadão Conteúdo

Temendo uma nova onda de covid-19, a China quer ampliar para centenas de milhares de pessoas o uso de vacinas ainda em testes. O país asiático já autorizou o uso emergencial de três vacinas desenvolvidas pelas companhias chinesas China National Biotec Group Co. e Sinovac. A última é a responsável pelo desenvolvimento da coronavac, em testes no Brasil e que será produzida pelo Instituto Butantã.

Para as autoridades chinesas, a oferta de vacinas ainda em testes clínicos se justifica pelo risco do retorno de covid-19 por meio de viajantes e também pela segurança demonstrada pelas vacinas nos estudos até agora. Local de surgimento do novo coronavírus, a China registra hoje, em média, menos de 20 novos casos por dia, muitos importados, mas teme novos surtos locais.

O uso emergencial das vacinas foi autorizado em julho, inicialmente para trabalhadores de serviços essenciais e com alto risco de exposição ao vírus, como profissionais de saúde e agentes de fronteiras.

Desde então, as vacinas experimentais têm sido disponibilizadas também para funcionários de empresas estatais e membros do Exército e agora devem começar a ser oferecidas para estudantes que pretendem viajar ao exterior e, em algumas regiões, a qualquer pessoa. A Sinovac, por exemplo, já abriu cadastro em duas cidades chinesas para moradores interessados em tomar a vacina em testes.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Covid-19: China anuncia que participará de consórcio global de vacinas

China e Rússia estão à frente na disputa pela vacina da covid-19

Mais conteúdo sobre: